Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da inibição do TNF-alfa sobre as alterações morfofuncionais vasculares associadas à hipertensão renovascular

Processo: 16/13778-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2017 - 31 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Cardiorenal
Pesquisador responsável:Elen Rizzi Sanchez
Beneficiário:Elen Rizzi Sanchez
Instituição-sede: Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). Campus Ribeirão Preto. Ribeirão Preto , SP, Brasil
Pesq. associados:Jose Eduardo Tanus dos Santos ; Suzelei de Castro França
Assunto(s):Hipertensão renovascular  Metaloproteinase 2 da matriz  Fator de necrose tumoral alfa  Angiotensinas  Estresse oxidativo  Espécies de oxigênio reativas 

Resumo

A ativação do sistema renina angiotensina está implicada nas complicações associadas a hipertensão como, hipertrofia vascular e disfunção endotelial. Evidências sugerem que a citocina TNF-± é necessária para hipertrofia e fibrose cardíaca induzida pela angiotensina II. Além disso, TNF-± parece modular a atividade da ECA in vitro, mas pouco é conhecido sobre os efeitos do TNF-± sobre a atividade da ECA quando esta apresenta-se aumentada durante a hipertensão. Angiotensina II e TNF-± podem promover ativação do fator de transcrição NF-ºB por mecanismos envolvendo o aumento na formação de espécies reativas do oxigênio (ERO). Na hipertensão, ERO é o principal fator responsável pela ativação das metaloproteínases da matriz extracelular (MMP). As MMP são endopeptidases envolvidas no remodelamento vascular e sua inibição diminui a hipertrofia e disfunção vascular. A ativação das MMPs, especialmente MMP-2, parece estar relacionada ao aumento de NF-ºB na vasculatura de animais hipertensos. Adicionalmente, a ativação de MAP quinases, como c-jun N- terminal quinase (JNK), pode ocorrer em reposta ao TNF-± e angiotensina II e parecem estar envolvidos no aumento da expressão das MMP em células endoteliais. Contudo, ainda é incerto se a ativação da MMP-2 em animais hipertensos pode envolver a via TNF-±/ERO/NF-ºB e/ou JNK, e se esses mecanismos contribuem para as alterações morfofuncionais decorrentes do aumento da pressão arterial. Assim, a hipótese do presente projeto é que a inibição de TNF-± reverta as alterações morfofuncionais vasculares em animais 2-rins e 1-clipe (2R1C) por diminuir a atividade da ECA e a formação ERO atenuando a ativação de fatores de transcrição como NF-ºB e/ou MAP quinases como, JNK resultando em menor ativação da MMP-2 que está aumentada nesses animais hipertensos. Para avaliar essa hipótese serão utilizados animais sham e 2R1C que serão tratados com dois inibidores de TNF- ± (Etanercept e Pentoxifilina) em protocolos independentes. É possível que a pentoxifilina possua benefícios adicionais ao Etanercept por apresentar ações sobre a vasculatura como indicado por alguns autores. A pressão arterial dos animais será aferida semanalmente por pletismografia de cauda. A concentração de TNF-± será feita com o uso de um kit de ELISA. A atividade da ECA será avaliada por método de fluorímetria no plasma e aorta dos animais. Para detectar alterações nos fatores de transcrição e JNK será feito western blotting. O aumento de ERO será avaliado pelo método de DHE e lucigenina. A atividade/expressão das MMPs será observada in situ e por eletroforese pela tecnica de zimografia. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MATTOS, B. R.; BONACIO, G. F.; VITORINO, T. R.; GARCIA, V. T.; AMARAL, J. H.; DELLALIBERA-JOVILIANO, R.; FRANCA, S. C.; TANUS-SANTOS, J. E.; RIZZI, E. TNF-alpha inhibition decreases MMP-2 activity, reactive oxygen species formation and improves hypertensive vascular hypertrophy independent of its effects on blood pressure. Biochemical Pharmacology, v. 180, OCT 2020. Citações Web of Science: 1.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.