Busca avançada
Ano de início
Entree

Opioid neurotransmission modulates defensive behavior and fear-induced antinociception in dangerous environments

Processo: 17/14246-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de agosto de 2017 - 31 de janeiro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Norberto Cysne Coimbra
Beneficiário:Norberto Cysne Coimbra
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Neurofarmacologia 

Resumo

Os efeitos dos antagonistas de peptídeos opioides endógenos em respostas relacionadas ao pânico são controversos. Usando labirintos elevados e um paradigma de presas versus predadores, investigamos o envolvimento do sistema mediado por peptídeos opioides endógenos na modulação de respostas induzidas por ansiedade e ataques de pânico, assim como na antinocicepção induzida pelo medo instintivo no presente trabalho. Ratos Wistar foram pré-tratados intraperitonealmente com solução salina fisiológica ou naloxona em diferentes doses e foram submetidos ao teste do labirinto em cruz elevado (LCE), ao teste do labirinto em T elevado (LTE) ou confrontados com Crotalus durissus terrificus. Os comportamentos defensivos dos ratos foram registrados na presença do predador e 24h após o confronto, quando os animais foram colocados no contexto experimental, mas sem a cascavel. O bloqueio periférico de receptores opioides teve um claro efeito do tipo ansiolítico nos ratos submetidos ao LTE, mas não nos sujeitos submetidos ao teste do LTE. No entanto, observou-se um claro efeito panicolítico, com aumento das respostas de iomobilidade defensvia, de figa e da interação com o predador. Um efeito semelhante foi observado quando os ratos foram expostos ao contexto experimental na ausência da serpente venenosa. Após completar todos os testes, os grupos tratados com naloxona apresentaram diminuiução da antinocicepção induzida por medo em relação ao grupo controle. Esses dados demonstram os efeitos ansiolíticos e panicolíticos do bloqueio não seletivo de receptor de opioides. Além disso, o comportamento destemido exibido por presas tratadas com naloxona em doses mais elevadas aumentou as respostas comportamentais defensivas de cobras venenosas. (AU)