Busca avançada
Ano de início
Entree

Rock Ca, rock lá: a produção roqueira no Brasil e em Portugal na imprensa - 1970/1985

Processo: 17/10193-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de setembro de 2017 - 31 de agosto de 2018
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História do Brasil
Pesquisador responsável:Áureo Busetto
Beneficiário:Áureo Busetto
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis , SP, Brasil
Assunto(s):Imprensa  História comparada 

Resumo

Esta tese de doutoramento trata e reflete histórico-comparativamente sobre o significado de se produzir rock no Brasil e em Portugal entre 1970 e 1985, bem como sobre o papel desempenhado pelo gênero e seus produtos no interior do debate e embate cultural-político, então perpassados por dicotomias como nacional/estrangeiro e alienado/politizado. Quadro histórico, cuja compreensão e possíveis explicações plausíveis nos possibilitam conhecer, compreender e interpretar algumas canções roqueiras investidas de críticas à vida social e política tanto brasileira quanto portuguesa, ambas marcadas, à época, por ditaduras e processos de redemocratização. Assim, buscamos conhecer e compreender historicamente como o rock, de maneira geral, foi visto e definido tanto por roqueiros quanto por diversos agentes do campo cultural e da mídia. De igual modo, cuidamos das visões e apreciações que roqueiros, agentes culturais e midiáticos lançaram sobre o rock, dentro de uma lógica da "marginalidade" e à luz de estereótipos relativos à rebeldia juvenil e violência - fosse esta advinda do universo roqueiro, fosse impingida a ele por agentes e instituições sociais e políticas diversas. E enfocamos, de um lado, como no Brasil e em Portugal o rock e seus agentes se posicionaram no debate cultural-político que, entre outras questões, se ocupou com tentativas de definição do gênero como nacional ou estrangeiro, e, de outro, as maneiras com que roqueiros brasileiros e lusitanos e suas canções integraram embates que procuravam identificar o rock como alienado ou politizado; sempre sem perder de vista as ações de diversos agentes culturais e da mídia relativas a tais quadrantes. Tal caminho nos permite defender a tese de que o rock produzido em língua portuguesa, no Brasil e em Portugal, desde os anos 1950 passava por um processo de nacionalização que culminaria, a partir da década de 1970 e, com especial destaque, na primeira metade dos anos de 1980, no denominado rock nacional; o qual expressou mensagens com críticas políticas e sociais tanto às realidades nacionais quanto à mundial, tornando-se, assim, um catalisador e um difusor de anseios e visões de mundo de uma parcela da juventude de ambos os países. (AU)