Busca avançada
Ano de início
Entree

Grande Otelo: um intérprete do cinema brasileiro - raça, corpo e gênero em sua performance cinematográfica (1917-1993)

Resumo

Este livro, fruto da tese de doutorado de Luis Felipe Kojima Hirano, que pretende analisar a trajetória de mais de 70 anos de Sebastião Bernardes de Souza Prata, Grande Otelo (1917-1993). Por um ângulo, a trajetória desse intérprete contribui para pensar diferentes momentos do cinema brasileiro, tendo em vista que o ator foi parte integrante do imaginário cinematográfico nacional dos anos 1930 aos 1990, em filmes da Cinédia e Sonofilmes, em It's all true - projeto inacabado de Orson Welles no Brasil -, em produções do realismo carioca, nas chanchadas da Atlântida, no Cinema Novo e no Cinema Marginal. Por outro ângulo, observar essa trajetória permite refletir sobre o modo como as relações raciais, suas intersecções com a questão de gênero e o próprio corpo dos artistas, negros ou brancos, são reinterpretados conforme a lógica do campo cinematográfico. O fio condutor da análise é uma equação complexa entre linhas de força que extrapolam esta lógica e mecanismos próprios ao cinema, usados para hierarquizar, diferenciar e desigualar intérpretes e escolas. Para empreendê-la, lança-se mão de conceitos como estereótipos raciais e persona, e do exame interno dos filmes - o que abre caminho para desvelar discursos cinematográficos racistas e estratégias antirracistas.O itinerário de Grande Otelo, assim, possibilita examinar o forte diálogo entre o imaginário racial hollywoodiano e sua tradução por empresas nacionais entre os anos 1930 e 1950, bem como representações alternativas do negro em It's all true, no realismo carioca e em Rio, Zona Norte, de Nelson Pereira dos Santos. Por contraste, o desaparecimento do ator nos primeiros filmes do Cinema Novo ilumina as perspectivas de Glauber Rocha e Carlos Diegues sobre o negro. Ambos os diretores elegem intérpretes com predicados corporais, fisionomias e performances de masculinidades diferentes de Grande Otelo, como Antonio Pitanga. O retorno de Otelo em Macunaíma, de Joaquim Pedro de Andrade, propicia discutir um momento reflexivo do cinema brasileiro, quando os impasses do Brasil se explicitam na reformulação de antigas figuras como o malandro e na interlocução renovada com o movimento negro, entre outros. Por fim, discute-se o aprofundamento de um diálogo interno nos filmes de Rogério Sganzerla e Júlio Bressane, que escalam Grande Otelo como testemunha histórica do cinema brasileiro. Logo, o ator prolífico viabiliza a reflexão, tanto sobre as relações raciais, em suas intersecções com a temática de gênero e corpo, quanto sobre o cinema no Brasil. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio: