Busca avançada
Ano de início
Entree

A Experiência do Espectador Contemporâneo: memória, invenção e narrativa

Resumo

Esta pesquisa consiste num estudo da experiência (DEWEY, 2010) de espectadorescontemporâneos do teatro a partir da análise de suas narrativas sobre essa experiência.Tal experiência que é compreendida a partir de um tríplice mecanismo que envolvememória, atenção e emoção (MÜNSTERBERG, 2004), compreensão essa que atua comoeixo teórico da tese e cujos conceitos são atualizados pelos conhecimentos mais recentessobre o tema (XAVIER, 2013; HELENE & XAVIER 2007, 2006 e 2003; IZQUIERDO2013). Dessa forma, demonstra-se como o processo da memória e da própria experiênciaatua de maneira dinâmica, num trabalho contínuo (BOSI, 2012). Apresenta-se um brevehistórico da figura do espectador nas teorias teatrais do século XX e XXI o que deixatransparecer que a maior parte dos estudos, salvo raras exceções (como MERVANTROUX,2006), se baseia sobre um espectador idealizado. Para comparar tal figura, emum segundo momento, com espectadores reais que estão nos teatros, parte-seprimeiramente dos espectadores do Projeto Formação de Público. Em seguidaabordam-se as memórias dos espectadores que tiveram como mesma vivência de basequatro espetáculos dirigidos por Antônio Araújo (Teatro da Vertigem - TV) e RomeoCastellucci (Socìetas Raffaello Sanzio - SRS). Para falar da experiência dos espectadores,no contexto brasileiro, são utilizados como vivências de base os espetáculos Bom Retiro958 metros (TV) e Sobre o conceito da face no filho de Deus (SRS), cuja a análise daexperiência dos espectadores parte de materiais diversos como artigos, críticas eentrevistas. Posteriormente, analisa-se experiências de espectadores em território europeua partir das peças Dire ce qu'on ne pense pas dans des langues qu'on ne parle pas(TV) e Go down, Moses (SRS), nas quais acompanha-se o percurso da experiência doespectador, da criação até as ressonâncias verificadas alguns meses depois da peça serassistida pelo espectador. Para isso, utiliza-se a técnica da entrevista aberta (BAUER &GASKELL, 2007), analisada qualitativamente tendo como base o método de análise deconteúdo (BARDIN, 2000). Como um dos desdobramentos das entrevistas surge apossibilidade de uma vida do teatro, vida esta que opera em simbiose com a vida doespectador. (AU)