Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do uso de vitrocerâmica bioativa associada a primers naturais na interface dentina-adesivo

Processo: 17/14417-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2017 - 30 de setembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Fernanda de Carvalho Panzeri Pires de Souza
Beneficiário:Fernanda de Carvalho Panzeri Pires de Souza
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Pesq. associados:Ana Beatriz Silva Sousa
Assunto(s):Adesivos dentinários  Resistência de união (odontologia)  Vitrocerâmica  Substâncias bioativas  Metaloproteinases da matriz 

Resumo

A busca por tratamentos que aumentem a longevidade da interface dentina/adesivo é constante, visto que o sucesso do tratamento estético está relacionada à vida útil das restaurações que pode ser influenciada por vários fatores como o material empregado, tempo de uso clínico e a degradação da matriz dentinária por metaloproteinases da matriz (MMPs). Além disso, o uso de um material remineralizador seria indicado para diminuir o dano das injurias aos tecidos dentinários. Assim, buscando melhores resultados na durabilidade das restaurações adesivas, o objetivo deste estudo será avaliar o efeito do uso de solução de Biosilicato associado a primers naturais terapêuticos na resistência de união (RU) à dentina de restaurações em compósito. Para isso, serão selecionados 320 dentes molares humanos hígidos que terão a face oclusal planificada e sobre a parte central da superfície dental serão preparadas cavidades de Classe I (5 mm de comprimento, 4 mm de largura e 4 mm de profundidade) utilizando brocas carbide. Metade das amostras serão submetidos a protocolos Des-Re para formação de cárie artificial. Posteriormente, todos os dentes serão separados em oito grupos (n=20) de acordo com o tratamento recebido antes do uso do adesivo dentinário (Adper Single Bond Universal - 3M ESPE): Grupo Controle - Sistema Adesivo; Grupo CHX - Cloredixina (CHX) a 0,12%; Grupo Bio - Solução de Biosilicato 10%; Grupo P16 - Extrato de própolis com baixo teor de polifenóis; Grupo P45 - Extrato de própolis com alto teor de polifenóis; Grupo CHXBio - CHX+Biosilicato; Grupo P16Bio - Própolis com baixo teor de polifenóis + Biosilicato; P45Bio - Propolis com alto teor de polifenóis + Biosilicato. Após os procedimentos restauradores, as amostras serão seccionadas em formato de palitos pela técnica "non-trimming" e serão divididos e armazenados em água destilada e deionizada a 37ºC por 24 horas, 6 meses e 1 ano. Após o período de armazenamento, serão submetidos ao teste de microtração (0,5mm/min). O padrão de fratura será analisado por MEV (JSM 5410, Sony). A degradação da interface dentina-adesivo após ação dos tratamentos será analisada através de Microscopia eletrônica de transmissão (MET, n=2), Zimografia in situ (n=2) e Espectroscopia de Raio X por dispersão de Energia (EDX). A bioestabilidade da matriz dentinária tratada será avaliada com ensaio de resistência à biodegradação enzimática. Após obtenção dos dados, estes serão submetidos à análise estatística segundo o teste estatístico mais apropriado. (AU)