Busca avançada
Ano de início
Entree

Correlação da funcao muscular do assoalho pelvico com a distancia inter reto abdominal em mulheres no climaterio e pos menopausa

Processo: 17/08371-9
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2017 - 31 de outubro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Gabriela Marini Prata
Beneficiário:Gabriela Marini Prata
Instituição Sede: Centro de Ciências da Saúde. Universidade do Sagrado Coração (USC). Bauru , SP, Brasil
Pesquisadores associados:Fernanda Piculo ; Letícia Carnaz ; Marta Helena Souza de Conti
Bolsa(s) vinculada(s):18/01994-3 - Correlação da função muscular do assoalho pélvico com a distância inter reto abdominal em mulheres no climatério e pós menopausa, BP.TT
Assunto(s):Reto do abdome  Menopausa  Climatério  Saúde da mulher  Fisioterapia 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Climatério | Diafragma Pélvico | fisioterapia | Menopausa | Reto do abdome | Saúde da mulher | Saúde da Mulher

Resumo

Introdução: Atualmente a população brasileira está passando por um rápido processo de envelhecimento, e com isso a expectativa de vida tem aumentando significativamente. Para as mulheres, em nossa cultura o grande marco do envelhecimento feminino é a menopausa. Entre muitas alterações físicas advindas com a menopausa, o aumento da distancia inter reto abdominal, denominada diástase, é muito prevalente e junto com ela, estas mulheres apresentam disfunção muscular do assoalho pélvico, e sintomas de incontinência urinária, incontinência fecal e prolapso dos órgãos pélvicos. Objetivo: correlacionar a função dos músculos do assoalho pélvico com a distância inter-reto abdominal em mulheres no climatério e pós-menopausa. Materiais e métodos: Trata-se de estudo transversal, com mulheres no climatério e pós menopausa, entre 45 e 75 anos de idade residentes na cidade de Bauru-SP. Todas as participantes que assinarem o termo de consentimento livre e esclarecido, responderão a questões sociodemográficas e clínicas, avaliação das medidas antropométricas e medida da distância Inter-Reto Abdominal realizada com paquímetro digital. As mulheres responderão os questionários International Consultation on Incontinence Questionnaire - Short Form (ICIQ-SF) para incontinência urinária; Escala de Wexner para incontinência fecal; e o questionário International Consultation on Incontinence Questionnaire-Vaginal Symptoms (ICIQ-VS) para sintomas vaginais. Será realizada avaliação física para verificação de função muscular do assoalho pélvico pela escala de Oxford, aparelho de perineometria e dinamômetro vaginal. O cálculo amostral foi realizado com o programa estatístico G*Power versão 3.1.9.2, considerando um poder estatístico de 0,90, tamanho do efeito de 0,3 e alfa de 0.05, o número mínimo de participantes no estudo será de 88 mulheres.Resultados esperados: Espera-se correlacionar os valores da distância inter-reto abdominal com as disfunções do assoalho pélvico, e com isso sugerir a importante interação entre os músculos abdominais e pélvicos.Assim, será possível propor melhores estratégias de prevenção e tratamento fisoterapêutico destas queixas e intervir positivamente na qualidade de vida das mulheres no climatério e pós-menopausa. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
HARADA, BEATRIZ SOUZA; DE BORTOLLI, THAINA TOLOSA; CARNAZ, LETICIA; SOUZA DE CONTI, MARTA HELENA; HIJAZ, ADONIZ; DRIUSSO, PATRICIA; MARINI, GABRIELA. Diastasis recti abdominis and pelvic floor dysfunction in peri- and postmenopausal women: a cross-sectional study. PHYSIOTHERAPY THEORY AND PRACTICE, . (16/09733-9, 17/08371-9, 18/01994-3)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.