Busca avançada
Ano de início
Entree

Novas estratégias para enfrentar a ameaça de exaustão da capacidade

Processo: 15/24341-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de outubro de 2017 - 30 de setembro de 2022
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Elétrica - Telecomunicações
Convênio/Acordo: MCTI/MC
Pesquisador responsável:Helio Waldman
Beneficiário:Helio Waldman
Instituição-sede: Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS). Universidade Federal do ABC (UFABC). Santo André, SP, Brasil
Pesquisadores principais:Darli Augusto de Arruda Mello ; Gustavo Sousa Pavani
Pesq. associados: Alaelson de Castro Jatobá Neto ; Luiz Henrique Bonani Do Nascimento ; Marcelo de Carvalho Pereira ; Marcio Wohlers de Almeida ; Rodrigo Campos Bortoletto
Bolsa(s) vinculada(s):17/25537-8 - Modulação com adaptação à distância em sistemas ópticos com multiplexação por divisão espacial, BP.DR
Assunto(s):Redes e comunicação de dados  Serviços de utilidade pública  Internet  Redes ópticas  Capacidade de tráfego  Cooperação internacional 

Resumo

O tráfego gerado pela internet tem crescido cerca de 100% ao ano desde que começou a ser medido, mas passou a dominar as redes de comunicação a partir da virada do século. As redes se prepararam para isso com o lançamento de uma grande infraestrutura óptica, inicialmente superdimensionada. O advento da tecnologia WDM iniciou à mineração de banda, que está levando à efetiva ocupação do espectro da faixa de ganho dos amplificadores. Surgem agora as redes ópticas elásticas como o primeiro passo para adiar a chamada crise da capacidade ("capacity crunch") através do aumento da eficiência espectral. Para esse fim, são utilizadas duas estratégias básicas: a adaptabilidade à distância, através da capacidade de escolher o esquema de modulação espectralmente mais eficiente que seja capaz de prover a necessária imunidade ao ruído; e a flexibilidade na alocação de espectro ao usuário, de maneira a evitar desperdício. Um segundo passo consistirá no uso de novas fibras com vários modos espaciais, de maneira que cada modo seja modulado independentemente dos demais. Porém, para dar conta do gargalo energético, será necessário limitar o próprio tráfego através da adoção de protocolos apropriados nas camadas superiores, eliminando tráfego desnecessário ou redundante mediante endereçamento datacêntrico. Finalmente, será necessário alinhar o gerenciamento do tráfego com os princípios de neutralidade e outros que conciliem o caráter público da internet do futuro com a sua promessa de inovação incessante. O projeto contribuirá para o sucesso dessas estratégias através de estudos acadêmicos conduzidos em ambiente interdisciplinar enriquecido pela cooperação internacional. (AU)