Busca avançada
Ano de início
Entree

História da formação estelar em canis major OB1: II uma população bimodal revelada pelo XMM-Newton

Processo: 17/25164-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de fevereiro de 2018 - 31 de julho de 2018
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Astronomia - Astrofísica Estelar
Pesquisador responsável:Jane Cristina Gregorio-Hetem
Beneficiário:Jane Cristina Gregorio-Hetem
Instituição-sede: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/18100-4 - Populações estelares na Via Láctea: bojo, halo, disco e regiões de formação de estrelas; instrumentação para espectroscopia de alta resolução, AP.TEM
Assunto(s):Aglomerados de galáxias  Estrelas  Formação de estrelas  Publicações de divulgação científica  Artigo científico 

Resumo

A Associação Canis Major OB1 tem um cenário de formação estelar intrigante. Especialmente na região chamada Canis Major R1 (CMa R1) tradicionalmente indicada como uma nebulosa de reflexão, mas na realidade trata-se de uma região ionizada. Este trabalho é focado na população estelar jovem associada a CMa R1, para a qual nossos resultados prévios com dados do ROSAT (raios-X), no óptico e no infravermelho mostraram dois grupos estelares com idades diferentes, sugerindo uma possível mistura de populações originadas em distintos episódios de formação estelar.Os dados em raios-X permitiram detectar as fontes que foram caracterizadas de acordo com as razões de dureza, curvas de luz e espectros. Estimativas de massa e idade foram obtidas com o catálogo 2MASS, e usados para definir uma sub-amostra completa de contrapartidas estelares, para propósitos estatísticos.Um catálogo de 387 fontes XMM-Newton é fornecido, 78% sendo confirmadas como membros ou prováveis membros da Associação CMa R1. Flares (ou eventos similares) foram observados para 13 fontes, e os espectros de 21 fontes brilhantes puderam ser ajustados por um modelo de plasma térmico. Valores médios dos parâmetros de ajuste foram usados para estimar a luminosidade em raios-X. Encontramos um valor mínimo de log(L X [erg/s]) = 29.43, indicando a incompleteza em nossa amostra das estrelas de baixa massa (M d 0.5M_sol ), por serem fracas emissoras de raios-X. Entre os 250 objetos selecionados como membros de uma subamostra completa (definida como nossa "melhor amostra"), 171 são encontradas no lado Leste da nuvem, próximas da estrela Z CMa e o gás molecular denso, 50% delas sendo jovens (< 5 Myr) and 30% sendo mais velhas (> 10 Myr). O oposto ocorre no lado Oeste da nuvem, próximo a GU CMa, em áreas com ausência de gás molecular: entre 79 objetos, 30% são jovens e 50% mais velhos. Esses resultados confirmam que um primeiro episódio de formação estelar distribuída ocorreu na região como um todo cerca de 10 Myr atrás e dispersou o gás molecular, enquanto que um segundo e localizado episódio (< 5 Myr) ocorreu nas regiões onde o gás molecular ainda está presente. (AU)