Busca avançada
Ano de início
Entree

Diversidade taxonômica e endemismo nas ilhas oceânicas brasileiras: estudos de casos múltiplos com crustáceos Decapoda bentônicos

Processo: 16/50373-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2018 - 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Taxonomia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Marcos Domingos Siqueira Tavares
Beneficiário:Marcos Domingos Siqueira Tavares
Instituição-sede: Museu de Zoologia (MZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Zoologia (classificação)  Crustacea  Decapoda  Brachyura  Ilhas  Biodiversidade 

Resumo

As ilhas oceânicas de Trindade e Martim Vaz são de origem vulcânica, tendo emergido há cerca de 3 a 3,5 milhões de anos. Trindade e Martim Vaz são próximas entre si (49 Km), mas isoladas geograficamente cerca de 1.167 Km da costa brasileira e 4.200 Km do litoral africano. As ilhas oceânicas mais próximas de Trindade e Martim Vaz (todas igualmente de origem vulcânica) são: Fernando de Noronha (1.800 Km), Atol das Rocas (1900 Km), Santa Helena (2.000 Km), Ascenção (2.400 Km), Rochedos de São Pedro e São Paulo (2.500 Km). Na literatura há registros de apenas 38 espécies de crustáceos Decapoda para as ilhas de Trindade e Martim Vaz, o que não chega a 60/0 das espécies de Decapoda conhecidos das águas continentais brasileiras. Esta situação não espelha a realidade da diversidade de Decapoda em Trindade e Martim Vaz, uma vez que no acervo carcinológico do Museu de Zoologia da USP há pelo menos o dobro das espécies atualmente mencionadas para estas ilhas. Como agravante, a taxonomia das espécies nominais mencionadas para as ilhas contém uma série de erros e contradições, resultado da absoluta falta de refinamento taxonômico. Esta situação de penúria no conhecimento contrasta com o imenso interesse que desperta a fauna de crustáceos Decapoda de Trindade e Martim Vaz devido ao grande isolamento geográfico das ilhas. Como se forma a biota marinha em uma ilha oceânica? Trindade e Martim Vaz são bem mais jovens (idade máxima estimada entre 3 e 3,5 milhões de anos) do que as plataformas continentais adjacentes, de modo que sua fauna atual é composta por migrantes (espécies atlânticas americanas, atlânticas africanas e anfi-atlânticas) e espécies endêmicas. Em uma ilha oceânica a biota é um mosaico de diferentes padrões de afinidade com outras regiões geográficas, mas quanto deste mosaico de relações encontra-se obscurecido pela grande afinidade caribenha observada hoje? Atualmente, o conhecimento inadequado da biodiversidade taxonômica em Trindade e Martim Vaz é fator impeditivo para a abordagem de questões importantes cuja abordagem depende, necessariamente, de conhecimento sólido sobre a composição taxonômica da fauna de crustáceos Decapoda: (i) qual a representatividade das espécies atlânticas americanas, atlânticas africanas e anfi-atlânticas para a biodiversidade taxonômica em Trindade e Martim Vaz? (ii) quanto da composição taxonômica de Trindade e Martim Vaz é compartilhada com as demais ilhas oceânicas do Atlântico sul (Fernando de Noronha, Atol das Rocas, Santa Helena, Ascenção e Rochedos de São Pedro e São Paulo)? (iv) quanto há de conectividade genética entre as ilhas Trindade, Martim Vaz, Fernando de Noronha, Atol das Rocas e Ascenção? É neste contexto de imensas incertezas taxonômicas e grandes possibilidades de formação de pessoal especializado que se insere o presente projeto. Objetivos: (i) rever completamente a taxonomia da fauna de crustáceos Decapoda bentônicos em Trindade e Martim Vaz e delimitar a contribuição das espécies atlânticas americanas, atlânticas africanas e anfi-atlânticas para a biodiversidade taxonômica em Trindade e Martim Vaz; (ii) medir a homogeneização (e consequentemente a diferenciação) e os níveis de similaridade taxonômica entre Trindade e Martim Vaz e as demais ilhas oceânicas do Atlântico sul (Fernando de Noronha, Atol das Rocas, Santa Helena, Ascenção e Rochedos de São Pedro e São Paulo). Em outras termos, o quanto da composição taxonômica de Trindade e Martim Vaz é compartilhada (ou difere) das demais ilhas oceânicas do Atlântico sul em função das distância relativas entre elas; (iii) estabelecer os níveis de endemismo em Trindade e Martim Vaz e buscar padrões de endemismo no conjunto das ilhas oceânicas do Atlântico sul (Fernando de Noronha, Atol das Rocas, Santa Helena, Ascenção e Rochedos de São pedro e São Paulo); (iv) formação de taxonomistas na área da Carcinologia. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.