Busca avançada
Ano de início
Entree

Robusta ativação fenotípica de eosinófilos durante experimental infecção por Toxocara canis

Processo: 18/00641-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de março de 2018 - 31 de agosto de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Helmintologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Fernanda de Freitas Anibal
Beneficiário:Fernanda de Freitas Anibal
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Toxocara canis 

Resumo

Os eosinófilos são células multifuncionais que possuem atividades pró-inflamatórias, citotóxicas e estimulam células T CD4 + em diferentes modelos de alergia e infecções parasitárias. Os eosinófilos, quando expostos a antígenos são ativados, expressam o CD38 / CD69 moléculas e exibem uma expressão aumentada do Complexo de Histocompatibilidade Maior (MHC-II), CD80 e CD86, sugerindo que eles podem atuar sobre a estimulação dos antígenos de T. canis. No presente estudo, avaliamos o perfil dos eosinófilos usando convencional e imagem por citometria de fluxo após infecção experimental de Toxocara canis. Os antígenos de T. canis induziram uma ativação robusta neste subconjunto, contribuindo para as respostas imunes induzidas no modelo experimental para a síndrome de Larva Migrans Visceral associada a T. canis (SLMV). A análise dos dados demonstrou que, durante a infecção murina de T. canis, eosinófilos do sangue periférico, baço e osso a medula apresentaram a expressão regulada de CD69 / MHC-II / CD80 / CD86. Ao contrário dos eosinófilos do baço e da medula óssea, os eosinófilos circulantes aumentaram a expressão de marcadores de ativação após a infecção por T. canis. A conectividade aprimorada entre Eosinófilos e células T em camundongos infectados por T. canis em todos os três compartimentos (sangue periférico, baço e medula óssea) também suporta a hipótese de que os eosinófilos podem adotar um papel de célula apresentadora de antígeno durante a infecção por T. canis. Além disso, a estimulação in vitro de T. canis-antigenio resultou na ativação e up-regulação de moléculas co-estimulantes relacionadas por eosinófilos derivados da medula óssea. Nossas descobertas demonstram evidências de ativação e up-regulação de ativação importante e moléculas co-estimulatórias por eosinófilos e sugerem uma remodelação de hierarquia de ativação para eosinófilos durante a infecção experimental por T. canis. (AU)