Busca avançada
Ano de início
Entree

A viabilidade da conservação dos restos de Cerrado no Estado de São Paulo

Processo: 98/05251-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa BIOTA - Temático
Vigência: 01 de abril de 1999 - 30 de setembro de 2003
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Marisa Dantas Bitencourt Pereira
Beneficiário:Marisa Dantas Bitencourt Pereira
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesquisadores principais:Giselda Durigan
Bolsa(s) vinculada(s):01/01237-7 - Caracterização dos remanescentes de cerrado no estado de São Paulo flora, fitogeografia e estado de conservação, BE.PQ
00/07106-9 - Modelagem dos fatores antrópicos que influenciam os fragmentos de Cerrado no Estado de São Paulo, BP.DR
99/05041-8 - Modelagem das variações da resposta espectral das fisionomias de Cerrado em relação as variações climáticas sazonais, BP.DR
99/06973-1 - Criação de um banco de dados dos remanescentes de Cerrado no Vale do Rio Paraíba do Sul, no estado de São Paulo, BP.IC
Assunto(s):Botânica econômica  Inventário florestal  Sensoriamento remoto  Cerrado  Ecologia de cerrado  Conservação biológica  Degradação ambiental  Mudança climática 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Contribuições...climáticas_47_68_68.pdf

Resumo

A taxa de desaparecimento dos cerrados do estado de São Paulo apontadas no último inventário florestal, indicaram o urgente estabelecimento de medidas de conservação e, possivelmente, de restauração de seus remanescentes. A interdisciplinaridade das equipes envolvidas garante o sucesso do projeto, que visa indicar áreas onde fisionomias de cerrado podem ser conservadas ecológica e economicamente. Aproveitando o esforço já realizado pelo IF e as experiências de diversas equipes em questões relacionadas ao cerrado, este projeto vai: a) atualizar as classes fisionômicas; b) indicar seu estado de conservação e seus agentes degradadores; c) indicar como as espécies lá presente podem ser economicamente viáveis; e) indicar medidas legais de incentivo a conservação e de desincentivo a degradação; e f) informar a comunidade não acadêmica sobre as descobertas. O número de fragmentos estudados resultará da análise espacial hierarquizada previamente e programada, dependendo de tempo e dinheiro. (AU)