Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de material de suportes celulares (scaffolds) para aplicação em engenharia de tecidos a base de colágeno, sulfato de condroitina e nanotubos de carbono

Processo: 17/50413-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de abril de 2018 - 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Biomédica - Bioengenharia
Pesquisador responsável:Vinicius Marchiori da Silva
Beneficiário:Vinicius Marchiori da Silva
Empresa:Revolugenix Biotecnologia, Pesquisa e Desenvolvimento Ltda
Município: São Paulo
Vinculado ao auxílio:12/50127-4 - Desenvolvimento de processos para cultura de células com material de suporte tridimensional de colágeno e sulfato de condroitina, AP.PIPE
Bolsa(s) vinculada(s):19/11998-9 - Desenvolvimento de material de suportes celulares (scaffolds) para aplicação em engenharia de tecidos à base de colágeno, sulfato de condroitina e nanotubos de carbono, BP.TT
18/21658-8 - Desenvolvimento de material de suportes celulares (scaffolds) para aplicação em engenharia de tecidos à base de colágeno, sulfato de condroitina e nanotubos de carbono, BP.TT
18/07598-2 - Desenvolvimento de material de suporte celulares (scaffolds) para aplicação em Engenharia de Tecidos a base de colágeno, sulfato de condroitina e nanotubos de carbono, BP.PIPE
Assunto(s):Engenharia tecidual  Nanotubos  Condroitina  Tecidos suporte  Colágeno  Carbono 

Resumo

O crescimento do mercado de materiais correlatos para regeneração óssea e a possibilidade de criação de produtos que podem ser utilizados como substitutos ósseos ou como suportes para células em terapias celulares regenerativos, abrem uma janela de oportunidade para a empresa, que será aproveitada com a continuação deste projeto inovador. Neste projeto será testada a escalabilidade do material de suporte para células, à base de colágeno e sulfato de condroitina, desenvolvido na fase 1 do PIPE e também será testado novo aditivo nanotecnológico (nanotubos de Carbono). As principais dificuldades encontradas na fase I do PIPE foram contornadas: a melhoria do sistema de vácuo utilizado, a substituição do agente reticulante tóxico glutaraldeído e a customização do material colágeno para uso em área certificada. O que mais marcou todo o processo e nos impulsiona para a fase 2 é a integração com as empresas parceiras: a BMR Medical, a JBS Colágeno (antiga Novaprom) e a JBS Pharma. Todas as empresas têm as certificações necessárias para seguirmos em frente com a fabricação terceirizada após completar a pesquisa. Coube à Revolugenix fazer a ponte entre a JBS e a BMR, otimizando a matéria prima da primeira empresa para entrar em produção nas salas limpas certificadas da segunda empresa. Desta forma poderemos levar dos laboratórios à clínica a biomassa disponível, transformando colágeno alimentício em biomaterial de alto valor agregado. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Treinamento técnico em farmacologia com bolsa da FAPESP 
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.