Busca avançada
Ano de início
Entree

Participação de vesículas extracelulares de leveduras de Sporothrix brasiliensis na resposta imune contra a esporotricose: estudo ex vivo e in vivo

Processo: 17/26665-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2018 - 30 de abril de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Karen Spadari Ferreira
Beneficiário:Karen Spadari Ferreira
Instituição-sede: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema , SP, Brasil
Assunto(s):Esporotricose  Vesículas extracelulares  Micologia 

Resumo

A esporotricose é uma micose emergente que afeta pele, sistema linfático e outros órgãos do homem e animais. A infecção fúngica possui distribuição global a é endêmica em algumas regiões do Brasil. A doença é causada por um complexo de pelo menos quatro espécies patogênicas, incluindo Sporothrix brasiliensis. Alguns fungos são capazes de liberar vesículas extracelulares (VEs) para transportar moléculas, que podem interar a célula hospedeira e modular a resposta imune. O objetivo deste trabalho é analisar a participação das VEs de leveduras de S. brasiliensis na resposta imune de células dendríticas (DCs) e no modelo murino. VEs serão obtidas por centrifugação diferencial a partir do sobrenadante de culturas de leveduras de S. brasiliensis. DCs derivadas de medula óssea serão estimuladas por com VEs e então cultivadas com as leveduras. Posteriormente, será analisado o índice de fagocitose, e a carga fúngica. Além disso, VEs serão inoculadas em camundongos Balb/c previamente à infecção subcutânea com o fungo, e serão analisados o diâmetro médio e a carga fúngica da lesão após diferentes tempos. Dessa forma, esperamos esclarecer possíveis fatores de virulência do fungo, bem como a modulação da resposta imune in vitro e in vivo, utilizando as VEs de Sporotrhix brasiliensis. (AU)