Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito imunomodulador de dehidroepiandrosterona (dhea) na resposta imune de pacientes com doença de crohn não responsivos à terapia com anti-tnf

Processo: 17/08651-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de abril de 2018 - 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Cristina Ribeiro de Barros Cardoso
Beneficiário:Cristina Ribeiro de Barros Cardoso
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Pesq. associados:Omar Feres ; Rogerio Serafim Parra
Bolsa(s) vinculada(s):19/20365-0 - Efeito imunomodulador de dehidroepiandrosterona (DHEA) na resposta imune de pacientes com Doença de Crohn não responsivos à terapia com anti-TNF, BP.TT
18/12430-3 - Efeito imunomodulador de dehidroepiandrosterona (DHEA) na resposta imune de pacientes com Doença de Crohn não responsivos à terapia com anti-TNF-±, BP.TT
Assunto(s):Resposta imune  Doença de Crohn  Doenças inflamatórias intestinais 

Resumo

Anticorpos monoclonais anti-TNF são utilizados na terapia das Doenças Inflamatórias Intestinais (DII). No entanto, nem todos os pacientes são responsivos e, embora o uso concomitante de anti-TNF e outro imunossupressor favoreça melhor prognóstico da doença, há importantes efeitos adversos. Por outro lado, o hormônio dehidroepiandrosterona (DHEA) está consideravelmente reduzido na doença de Crohn (CD) e colite ulcerativa (UC) e a suplementação com DHEA melhora a colite experimental. Logo, entende-se que esta interação imunoendócrina poderia ser utilizada como ferramenta para o desenvolvimento de tratamentos alternativos para as DII, visando melhoras das respostas a este imunobiológico de alto custo frequentemente utilizado. Portanto, este projeto busca compreender o perfil imunológico de pacientes com CD não respondedores à terapia com anti-TNF e analisar o potencial do hormônio DHEA em reverter a não responsividade frente ao tratamento. Serão realizadas avaliações clínicas, imunológicas (dosagem de mediadores plasmáticos como citocinas, LPS e oncostatina M) e endocrinológicas para caracterização do perfil dos pacientes não responsivos ao anti-TNF, especialmente sua relação com os níveis de DHEA. Células mononucleares do sangue periférico (PBMCs) serão isoladas para imunofenotipagem e será determinada uma concentração de DHEA não tóxica para as mesmas, para os ensaios de suplementação hormonal, in vitro. A proliferação das PBMC será avaliada na presença de DHEA, assim como o perfil de citocinas TH1, TH2, TH17, IL-9 e inflamatórias no sobrenadante dessas culturas. Será também realizada cultura estimulada com LPS e tratada com DHEA, para avaliação do padrão inflamatório de monócitos de pacientes não respondedores e sua reversão frente à suplementação hormonal. Dessa forma, espera-se que a correlação entre os resultados obtidos com os dados clínicos, endócrinos e imunológicos, forneça subsídios suficientes para atestar a capacidade de DHEA em reverter o perfil não respondedor de pacientes com CD que fazem uso de anti-TNF. (AU)