Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização molecular da adesina e Eschericia coli enteropatogênica (EPEC) atípica do sorotipo o125ac:h6

Processo: 05/57476-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2006
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Waldir Pereira Elias Junior
Beneficiário:Renato de Mello Ruiz
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:04/12136-5 - Escherichia coli enteropatogênica atípica (EPEC atípica), AP.TEM
Assunto(s):Etiologia   Escherichia coli enteropatogênica atípica   Adesinas   Fatores de virulência   Escherichia coli

Resumo

O termo EPEC atípica é usado para definir as Escherichia coli enteropatogênicas que não transportam o plasmídio EAF. As EPEC atípicas podem pertencer ou não aos sorogrupos O tradicionais de EPEC e podem aderir ou não às células HEp-2. São sorotipos de EPEC atípica: O26:H11, O26:H-, O55:H7, O55:H-, O55:H34, O86:H8, O111:H9, O111.H25, O111:H-, O119:H2, O128:H2 e O125ac:H6. Esse último compreende amostras pertencentes ao mesmo ribotipo que apresentam o gene eae de EPEC e nenhum dos marcadores de virulência de EAEC, embora apresentem o padrão de adesão agregativa (AA) em células HEp-2. Além disso, essas amostras são incapazes de produzir a lesão A/E embora expressem os genes da região LEE. Foi identificada uma ORF de 747 pb em um clone de. uma biblioteca genômica de uma amostra desse sorotipo. Essa seqüência apresenta grande identidade com o gene ydhF de E. coli uropatogênica. Ensaios de immunoblotting sugerem que essa adesina é uma proteína de membrana externa. Dando continuidade aos achados relativos à adesão agregativa apresentada pelas amostras desse sorotipo, os principais objetivos deste projeto são: confirmar a participação de YdhF na adesão agregativa, caracterizando mutantes que não expressam o padrão AA; localizar e caracterizar essa adesina, através de microscopia eletrônica de transmissão com imunomarcação e técnicas de proteômica; verificar a prevalência dessa adesina em amostras de EPEC atípica de outros sorotipos. (AU)