Busca avançada
Ano de início
Entree

Influencia policial na "princesa do oeste": relacoes de poder e conflitos cotidianos entre elites, populares e a policia de sao carlos, 1888-1914.

Processo: 05/58512-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2007
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Outras Sociologias Específicas
Pesquisador responsável:Oswaldo Mario Serra Truzzi
Beneficiário:Hellen Aparecida Furlas
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Imigração   Força pública   Coronelismo   Polícia civil

Resumo

O presente projeto objetiva estudar as relações sociais existentes entre a polícia (civil e Força Pública) e a elite local da cidade de São Carlos entre 1888 a 1914, e compreender como e de que forma essas relações (de interesse) refletiam e influenciavam as ações e o comportamento desta mesma polícia com populares (imigrantes e brasileiros pobres) no controle de conflitos e tensões cotidianas. O fim do século XIX e início do XX foram marcados por transformações no país como a abolição (1888) e a imigração em massa (década de 1890 para São Carlos) que geraram novas formas de interações sociais e conseqüentemente "novas formas" de conflitos e tensões. Ao mesmo tempo, com a Proclamação da República e a Constituição de 1891 intensificou-se as relações de interesse (coronelísticas) entre os chefes políticos municipais e o governador do Estado visando favores políticos. Nesse contexto, a polícia passa a ter papel fundamental tanto no sentido de controlar e conter os conflitos que surgiam, como no sentido de manter-se "aliada" ao interesses dos chefes políticos locais e conivente com as arbitrariedades cometidas por estes últimos. Contudo, a profissionalização da polícia civil, transformada em polícia de carreira em 1905, objetivava dificultar a manutenção dessas "troca de favores". Assim, nossa idéia é compreender como e com que intensidade essas relações se mantiveram, diante das mudanças do período, e como influenciavam no controle cotidiano. (AU)