Busca avançada
Ano de início
Entree

Dinâmica e estrutura populacional de quatro espécies arbóreas no Núcleo Picinguaba e Santa Virgínia, Parque Estadual da Serra do Mar, SP

Processo: 06/50014-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2006
Vigência (Término): 03 de fevereiro de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Flavio Antonio Maës dos Santos
Beneficiário:Carolina Bernucci Virillo
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:03/12595-7 - Composição florística, estrutura e funcionamento da Floresta Ombrófila Densa dos Núcleos Picinguaba e Santa Virgínia do Parque Estadual da Serra do Mar, estado de São Paulo, Brasil, AP.BTA.TEM
Assunto(s):Populações vegetais   Dinâmica de populações   Árvores florestais   Mata Atlântica

Resumo

A composição florística e a estrutura da Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas (5 a 100 m de altitude), da Floresta Ombrófila Densa Submontana (100 a 500 m de altitude) e da Floresta Ombrófila Densa Montana (500 a 1.200 m de altitude) serão determinadas em 4 parcelas permanentes de 1ha por fitofisionomia, considerando-se todos indivíduos com DAP - diâmetro a altura do peito ≥ a 4,8 cm. No caso de algumas famílias de reconhecida importância, quer seja no ciclo de nitrogênio como as Leguminosae, quer seja na manutenção de recursos para populações de polinizadores e dispersores como Bromeliaceae, Melastomataceae, Rubiaceae, Solanaceae, Moraceae e Piperaceae, o estudo florístico poderá incluir todas as espécies, inclusive herbáceas, lianas e epífitas. A análise dos dados e a estimativa dos parâmetros fitossociológicos serão feitas através do programa FITOPAC. Os dados de composição e estrutura permitirão a escolha de espécies para estudos de biologia da reprodução (incluindo sistema reprodutivo, citogenética, polinização, inclusive estrutura e histoquímica das glândulas foliares e florais, diversidade de vetores de pólen, dispersão e diversidade de agentes dispersores); ecofisiologia da germinação (incluindo a anatomia e estrutura dos tegumentos, anatomia das estruturas de reserva - cotilédones e endosperma, substâncias de reserva, anatomia e estrutura do eixo embrionário das sementes, anatomia da fase inicial do desenvolvimento após a protusão da radícula, fotoblastismo, velocidade de germinação); ecofisiologia da fotossíntese e da eficiência do uso de água (incluindo anatomia e características foliares, estrutura e histoquímica de glândulas foliares, proporção, de pigmentos fotossintéticos, razão C/N, trocas gasosas, medidas de fluorescência da clorofila); ecofisiologia da assimilação, transporte e do metabolismo de nitrogênio (incluindo a disponibilidade de nitrogêniono solo, o nível total de nitrogênio foliar; a atividade de nitrato-redutase foliar, a composição isotópica de nitrogênio; e os compostos nitrogenados de baixo peso molecular presentes na seiva do xilema); a estratégia de recrutamento de indivíduos (incluindo banco de sementes, banco de plântulas e sucesso no estabelecimento das plântulas); a determinação da estrutura etária das populações (incluindo o uso de bandas dendrométricas e de técnicas de datação), com respectiva análise de estrutura genética através de marcadores moleculares; e a determinação das taxas médias anuais de crescimento das espécies; fenologia. Os dados do balanço fotossíntese/respiração permitirão determinar a produtividade líquida das espécies ao longo de todas suas etapas do desenvolvimento. Os dados obtidos nestes estudos serão inseridos em uma matriz para, através de análise multivariada, obter grupos funcionais, i.e. grupos de espécies que apresentam comportamentos e estratégias semelhantes. A composição destes grupos poderia ser comparada ao longo do gradiente altitudinal e com grupos formados "a priori", por exemplo, com espécies pioneiras, secundárias e tardias. Os dados do balanço fotossíntese/respiração das espécies permitirão a determinação da produtividade líquida média dos grupos funcionais. Simultaneamente, serão determinadas as entradas de N na floresta através da precipitação, da fixação de nitrogênio atmosférico e dos processos de mineralização e nitrificação. Associadas aos dados de produção e decomposição de folhedo, estas informações permitirão estimar a ciclagem interna de nitrogênio e as possíveis perdas através dos processos de denitrificação e carregamento pelos riachos. Com a instalação de torres meteorológicas equipadas com instrumentos para o monitoramento automático do clima, dos componentes do ciclo hidrológico à superfície (precipitação, evapotranspiração e umidade do solo) e do ciclo de CO2 (fluxo total de CO2 e respiração do solo), será possível determinar a produtividade líquida da Floresta Ombrófila Densa Atlântica. Permitirá também a análise da variabilidade interanual no ciclo de carbono e no ciclo hidrológico. (AU)