Busca avançada
Ano de início
Entree

Condicoes oftalmicas e suas correlacoes com o proteinograma, sorologia para leotospira sp, no humor aquoso, corpo vitreo e soro sanguineo e imunohistoquimica em equinos com ou sem alteracoes...

Processo: 05/60381-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2006
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:José Luiz Laus
Beneficiário:Ana Letícia Groszewicz de Souza
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Uveíte   Imuno-histoquímica   Leptospirose   Equinos

Resumo

A doença endógena inflamatória uveal em eqüinos constitui uma resposta imunopatológia complexa, onde se presume a participação de uma variedade de antígenos. A permeabilidade alterada da barreira sangue-olho pode resultar no aumento de proteínas e de células no humor aquoso, o qual se denomina "quebra na barreira sangue-olho". Quebras na barreira sangue-olho podem ser ensejadas por uveítes, intervenções cirúrgicas e por paracentese. A uveíte recorrente dos eqüinos (URE), também denominada ophthalmia periódica ou "moon blindness", é, na realidade, uma panuveíte com prevalência relatada de até 15% na população eqüina. Constitui-se na causa mais comum de deficiência visual ou cegueira em eqüinos. Porém, a etiologia e patogênese permanecem, ainda, sob investigação. Inúmeras pesquisas apontam para a hipótese de hipersensibilidade a antígenos bacterianos. A maioria dos estudos mostram evidências de infecções por Leptospira sp. em olhos com URE. Paralelamente a uveíte, algumas desordens clínicas em cavalos têm sido atribuídas à leptospirose, incluindo septicemia, hepatopatias e aborto, causando prejuízos aos criadores. A URE vem sendo motivo de muitos estudos, especialmente porque a síndrome da uveíte recorrente em seres humanos mostra várias características clínicas e patológicas semelhantes às que ocorrem em eqüinos, sendo que estudos imunogênicos da URE em eqüinos podem ser perfeitamente extrapolados para humanos. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
SOUZA, Ana Letícia Groszewicz de. Histopatologia e imunoistoquímica do bulbo do olho de equinos (Equus caballus, Linnaeus, 1758) soropositivos ou soronegativos para leptospirose. 2009. 64 f. Tese de Doutorado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias. Jaboticabal.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.