Busca avançada
Ano de início
Entree

Um impasse na teorização psicanalítica: a teoria pulsional e a teoria das relações de objeto a luz dos quadros bordeline

Processo: 06/50195-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2006
Vigência (Término): 31 de março de 2010
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Fundamentos e Medidas da Psicologia
Pesquisador responsável:Nelson Ernesto Coelho Junior
Beneficiário:Camila Junqueira
Instituição-sede: Instituto de Psicologia (IP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Psicanálise

Resumo

Os quadros borderline, atualmente identificados com certas manifestações, tais como, adicções, transtornos alimentares e doenças psicossomáticas graves, fazem uma exigência de avanços metapsicológicos que sirvam como base para intervenções clinicas mais eficazes. Nossa hipótese é de que o giro metapsicológico exigido pelos quadros borderline vai menos ao sentido de ampliar a diversidade de modelos teóricos - como veio ocorrendo na história da psicanálise (Bercheire, 1988) - e mais no sentido de conciliar dois modelos teóricos que estão na base do pensamento psicanalítico, mas que foram historicamente separados e, por vezes, considerados incompatíveis, a saber, o modelo pulsional e o modelo das relações objetam. Enquanto no modelo pulsional de Freud a pulsão cria o objeto, no modelo relacionai, aprofundado por Winnicott, entre outros, os objetos existem e se relacionam de modo independente da pulsão. Contudo, os quadros borderlines nos sugerem que na constituição do psiquismo não há uma primazia nem do objeto nem da pulsão, mas a presença necessária de ambos. Para esse estudo, tomaremos como ponto de partida, de um lado, o que Donald Winnicott nos mostra de mais frutífero em relação aos casos borderline: a proposta clínica, e de outro, as ideias de André Green que, com precisão, procura articular o pensamento winnioottiano, baseado na teoria de relações objetais, com a teoria pulsional freudiana. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.