Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do tratamento prolongado com etanol sobre a sinalização da via do AMPc em camundongos adolescentes e adultos

Processo: 06/52485-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de setembro de 2006
Vigência (Término): 30 de novembro de 2010
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Rosana Camarini
Beneficiário:Sabrina Lucio Soares
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Adolescentes   Transtornos relacionados ao uso de substâncias   Alcoolismo   Modelos animais

Resumo

Adolescentes de muitas espécies diferem dos adultos em vários aspectos, incluindo o padrão de uso de drogas. A exposição repetida de baixas doses de álcool induz sensibilização comportamental, um fenômeno usado como modelo de dependência, mediado pelo sistema dopaminérgico mesolimbico. Existe uma variabilidade, dependente da idade, na sensibilização à psicoestimulantes. O etanol promove liberação de DA no núcleo accumbens em roedores e humanos. O aumento da ativação da via do AMPc que ocorre em resposta à administração de drogas de abuso, e a ativação do CREB, parecem mediar vários aspectos da dependência. O tratamento crônico com etanol diminui a atividade da adenilato ciclase e PKA e diminui a expressão da proteína Gs em cérebro de roedores. Além disso, tanto a administração aguda quanto crônica ao etanol alteram os níveis de fosforilação do CREB. A indução de delta-fosB e FRA ocorrem como uma forma de neuroadaptação após a administração repetida de drogas de abuso. Um dos alvos do delta-fosB é o fator nuclear kB (NF-kB), que regula inúmeros processos celulares. A administração aguda de etanol aumenta a atividade da subunidade p65 do NF-kB na astroglia de humanos, sugerindo um envolvimento do NF-kB nos efeitos deletérios do etanol. Usando a sensibilização comportamental como modelo de dependência, este trabalho propõe o estudo das alterações neuroquímicas e moleculares induzidas pela administração prolongada de etanol em animais adolescentes e adultos. (AU)