Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliacao da atividade antimicrobiana de extratos proteicos de sementes e extratos hidroalcoolicos de sementes e de folhas de senna occidentalis.

Processo: 06/52668-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2006
Vigência (Término): 31 de agosto de 2008
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise e Controle de Medicamentos
Pesquisador responsável:Telma Mary Kaneko
Beneficiário:Márcia Lombardo
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Anti-infecciosos   Citotoxicidade   Proteínas

Resumo

O presente projeto visa à avaliação da atividade antimicrobiana e citotóxica de extratos protéicos de sementes de Senna occidentalis (So), erva daninha pertencente à família das leguminosas, freqüentemente encontrada. As proteínas e os peptídeos que apresentam atividade antimicrobiana são de particular interesse no desenvolvimento de produtos farmacêuticos ou cosméticos, não só pela abrangência nos tratamentos terapêuticos, mas como substitutos da função conservadora da formulação. Os antimicrobianos de origem vegetal podem apresentar um menor potencial tóxico que os sintéticos, além de representarem uma forma de aproveitamento dos recursos naturais, de maneira sustentável, visto que as proteínas da planta em estudo se concentram nas sementes. A extração e o fracionamento de proteínas de So será feita por maceração em tampão Tris/HCI, 0,05M, pH 7,2, seguida por precipitação com sulfato de amônio ou pelo método de Osborne modificado. As frações aquosas serão quantificadas quanto ao conteúdo protéico pelos métodos de Bradford e Lowry; purificadas por cromatografia liquida de alta eficiência (CLAE) e caracterizadas quimicamente por CLAE e eletroforese. A atividade antimicrobiana dos extratos e suas frações será avaliada por meio da concentração mínima inibitória (CMI), utilizando o método de diluição em meios líquidos e espectrofotometria em microplacas. A toxicidade in vitro das amostras será avaliada pelo tempo de vida, eficiência e viabilidade celular empregando queratinócitos humanos. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)