Busca avançada
Ano de início
Entree

Cotas para negros em universidades públicas: uma análise de discursos que tangem a questão da democracia racial

Processo: 06/53997-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2006
Vigência (Término): 31 de agosto de 2008
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Linguística - Teoria e Análise Lingüística
Pesquisador responsável:Carolina Maria Rodriguez Zuccolillo
Beneficiário:Fabiane Teixeira de Jesus
Instituição-sede: Instituto de Estudos da Linguagem (IEL). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:04/07734-0 - A produção do consenso nas políticas públicas urbanas: entre o administrativo e o jurídico, AP.TEM
Assunto(s):Identidade nacional

Resumo

Ao declarar que "Brasileiro tem o preconceito de não ter preconceito", Florestan Fernandes sintetiza a idéia de que a ideologia da democracia racial recobre a realidade das relações sociais no Brasil: esta pesquisa irá, pois, tendo em vista o contexto histórico-social no qual se principiou o debate acerca da questão da identidade nacional - no qual o ser negro era colocado como um coletivo humano inferior -, verificar se estas teorias ainda subjazem discursos que tangem a questão da democracia racial. O objeto de análise serão as Políticas Públicas de Ação Afirmativa que defendem a adoção de cotas para negros em universidades públicas. O corpus estará constituído de artigos da seção "Tendências e Debates" da Folha de São Paulo sobre esse assunto, publicados entre os anos de 2001 e 2005. O quadro teórico e epistemológico no qual embasarei minha pesquisa é o da Análise do Discurso. A pesquisa visa compreender de que modo o negro é significado nas referidas Políticas de Ação Afirmativa, afetando o lugar ocupado na sociedade nacional e promovendo novas formas de civilidade. Pretendo contribuir com as discussões do Projeto Temático CAeL, mostrando de que modo certos mecanismos de segregação continuam vigentes nas discussões sobre a democracia racial e as políticas públicas formuladas para promovê-la. Interessa-me, por último, pôr em relação às análises feitas por Da Matta e Buarque de Holanda sobre as relações sociais no Brasil, para melhor delinear condições de produção e circulação destes discursos neste espaço social. (AU)