Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização farmacológica da inibição promovida por um pré-pulso da resposta de sobressalto induzida por um pulso (prepulse inhibition of startle) nas linhagens Wistar e SHR: possíveis implicações para distúrbios psiquiátricos

Processo: 06/05310-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2007
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2009
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Vanessa Costhek Abílio
Beneficiário:Raquel Levin
Instituição-sede: Departamento de Farmacologia. Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Esquizofrenia

Resumo

Déficits do processo de filtro sensório-motor, que se refletem em uma diminuição da inibição promovida por um pré-pulso da resposta de sobressalto induzida por pulso ("prepulse inhibition of startle" - PPI), estão associados a diferentes desordens psiquiátricas. Dentre elas, destacam-se a esquizofrenia, o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e o transtorno bipolar do humor. Nesse sentido, a linhagem SHR tem sido sugerida como modelo animal de TDAH. Contudo, dados preliminares de nosso laboratório indicam que alterações na memória emocional apresentadas por essa linhagem refletem déficits de percepção emocional apresentados por pacientes esquizofrênicos, uma vez que são revertidas por neurolépticos. Com relação à resposta de PPI, trabalhos prévios com resultados variáveis indicam uma diminuição dessa resposta na linhagem SHR. Contudo, diferenças metodológicas e a ausência de uma caracterização farmacológica detalhada dificultam a interpretação desses resultados. Assim, o objetivo do presente projeto é caracterizar farmacologicamente a resposta de PPI na linhagem SHR, comparando-a com a linhagem de ratos normotensos Wistar. Para tal, utilizaremos drogas aplicadas na terapêutica da esquizofrenia (neurolépticos típico haloperidol e atípico ziprasidona), drogas dopaminérgicas sem ação antipsicótica (antagonistas D2 metoclopramida e D1 SCH23390), drogas aplicadas na terapêutica do TDAH (anfetamina e metilfenidato) e na terapêutica do transtorno bipolar do humor (carbamazepina e ácido valpróico. (AU)