Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento dos estratos parietais da antera e dos andrófitos em espécies de Miconia (Melastomataceae) com diferentes sistemas reprodutivos

Processo: 07/52030-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2008
Vigência (Término): 31 de julho de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Morfologia Vegetal
Pesquisador responsável:Simone de Pádua Teixeira
Beneficiário:Priscila Andressa Cortez
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Melastomataceae   Embriologia vegetal

Resumo

Embora as Angiospermae se reproduzam principalmente de forma sexuada, um número expressivo de espécies se reproduz assexuadamente. A agamospermia é um método assexuado alternativo ou obrigatório de reprodução via sementes, com embriões formados na ausência de fecundação. Atualmente é admitida a existência de cerca de 400 espécies agamospérmicas, e estudos recentes têm revelado um número crescente entre as Melastomataceae, particularmente no gênero Miconia. Dentre essas espécies, M. albicans é a melhor estudada; apresenta agamospermia obrigatória e esterilidade masculina total, além de anteras com células do tapete anormais, endotécio presente e uma aparente epiderme na região do poro. Este trabalho tem como objetivo aprofundar as investigações iniciadas em M. albicans durante o mestrado e extrapolar tais estudos a outras espécies da tribo Miconieae, particularmente as do gênero Miconia. Serão feitos estudos estruturais (microscopia de luz e eletrônica de varredura), ultra-estruturais (microscopia eletrônica de transmissão) e histoquímicos em espécies selecionadas segundo cladrogramas construídos para o gênero. Botões florais e flores em vários estádios de desenvolvimento serão processados segundo protocolos de fixação, inclusão e coloração, de rotina ou adaptados. As investigações a serem realizadas reportam a algumas questões: As anormalidades estruturais observadas nas células do tapete de M. albicans são acompanhadas por anormalidades em nível ultra-estrutural, e podem estar relacionadas às anormalidades observadas nos diferentes estádios de desenvolvimento dos andrófitos? Há diferenças estruturais e ultra-estruturais nos vários estádios ontogenêticos dos tecidos dos estratos parietais da antera entre M albicans, M. stenostachya, M. dodecandra e M. langsdorfii, espécies agamospérmica obrigatória, agamospérmica facultativa, sexuada auto-compatível e sexuada auto-incompatível, respectivamente? Caso existam, tais diferenças podem estar relacionadas aos diferentes modos de reprodução exibidos por essas espécies? A ausência de endotécio nos estratos parietais da antera, considerada sinapomorfia em Melastomatácea, é um caractere compartilhado por todas as espécies investigadas no presente trabalho? O mecanismo de deiscência operante nas anteras dessas espécies envolve a presença da epiderme e do endotécio? (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CORTEZ, PRISCILA ANDRESSA; SOUZA CAETANO, ANA PAULA; CARMELLO-GUERREIRO, SANDRA MARIA; TEIXEIRA, SIMONE PADUA. Anther wall and pollen development in Neotropical species-rich Miconia (Melastomataceae). PLANT SYSTEMATICS AND EVOLUTION, v. 301, n. 1, p. 217-230, JAN 2015. Citações Web of Science: 1.
CORTEZ, PRISCILA ANDRESSA; DE SOUZA CAETANO, ANA PAULA; CARMELLO-GUERREIRO, SANDRA MARIA; TEIXEIRA, SIMONE PADUA. Elucidating the mechanism of poricidal anther dehiscence in Miconia species (Melastomataceae). FLORA, v. 209, n. 10, p. 571-579, 2014. Citações Web of Science: 2.
CORTEZ, PRISCILA ANDRESSA; CARMELLO-GUERREIRO, SANDRA MARIA; TEIXEIRA, SIMONE PADUA. Understanding male sterility in Miconia species (Melastomataceae): a morphological approach. Australian Journal of Botany, v. 60, n. 6, p. 506-516, 2012. Citações Web of Science: 8.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.