Busca avançada
Ano de início
Entree

Populações de Culex quinquefaciatus (Diptera: Culicidae) do Estado de São Paulo: análises comparativas baseadas em DNA ribossômico, morfometria geométrica alar e micrografia de ovos

Processo: 07/01665-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2007
Vigência (Término): 31 de março de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
Pesquisador responsável:Lincoln Suesdek Rocha
Beneficiário:Camila Moratore
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Culicidae   População

Resumo

O díptero Culex quinquefasciatus está entre as espécies de culicídeos de importância médica. Tal espécie é a principal vetora de filariose bancroftiana na região Neotropical e de arbovírus em diversas partes do mundo, como o vírus do Nilo Ocidental (WNV), o agente etiológico de uma severa encefalite. Esse mosquito tem hábitos sinantrópicos, é capaz de viver em ambientes poluídos dos centros urbanos e suas populações podem até mesmo desenvolver resistência a alguns inseticidas. Devido à sua relevância médica, Cx. quinquefasciatus tem sido alvo de diversas tentativas de eliminação ou controle populacional. Entretanto, métodos de controle de culicídeos enfrentam como fator limitante a microevolução, processo através do qual alguns aspectos biológicos de uma espécie variam em curtos intervalos de tempo e espaço. Assim sendo, investigar-se a microevolução dessa espécie é uma questão central em entomologia médica.Em geral, estudos microevolutivos iniciam-se com a caracterização comparativa de populações, ao longo de transectos geográficos. Cx. quinquefasciatus tem sido estudada em diversas partes do mundo quanto à diferenciação populacional, variações geográficas, estrutura genética populacional, resistência a inseticidas, etc. No entanto, apesar deste cenário, no Brasil os estudos populacionais envolvendo Cx. quinquefasciatus ainda são escassos.No Estado de São Paulo, algumas localidades de ocorrência de Cx. quinquefasciatus são merecedoras de grande atenção. Num importante pólo turístico do município de São Paulo, o Parque Ecológico do Tietê (P.E.T.), a espécie é muito abundante e incômoda aos milhares de visitantes e moradores da região. Além disso esse parque urbano abriga diversas espécies de vertebrados autóctones ou migradores, potenciais hospedeiros de agentes etiológicos de zoonoses transmissíveis por mosquitos.No município de Pariquera-Açu, (a 150 km da capital), onde a culicidofauna é relativamente bem conhecida, a espécie é também muito abundante, incômoda ao homem e eventualmente incômoda ao gado e animais domésticos. Trata-se de uma região particularmente interessante pois abrange áreas urbanas e semi-rurais e rurais próximas ao ecossistema de mata Atlântica da Serra do Mar. Assim como o local é ecologicamente peculiar, é presumível que este abrigue populações de culicídeos com caracteres biológicos também peculiares. Os municípios de São Paulo e Pariquera-Açu são, portanto, regiões de grande relevância culicidológica além de bastante distintas ecologicamente e distantes geograficamente. Não se sabe se há diferenciação genético-morfológica ou se há fluxo gênico entre as populações dessas duas localidades ambientalmente tão distintas. Para testar tal hipótese, essas duas populações serão comparadas utilizando-se simultaneamente parâmetros biológicos reconhecidamente úteis para caracterização populacional: a) aspectos do DNA ribossômico; b) morfometria geométrica alar; c) micrografia do exocórion dos ovos. Espera-se assim, identificar possíveis variações biológicas de significância evolutiva nessa espécie, as quais poderão auxiliar o aprimoramento de métodos de controle desse inseto-vetor.