Busca avançada
Ano de início
Entree

Populações ameríndias da América do Sul: estudo multi-locus e interferência histórico-demográfica e seletiva

Processo: 07/54278-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2007
Vigência (Término): 31 de julho de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Diogo Meyer
Beneficiário:Kelly Nunes
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:03/01583-8 - Seleção natural e variação genética em humanos: estudos em genes HLA e população ameríndias, AP.JP
Assunto(s):Indígenas   Genética populacional   Seleção natural   Genética médica   Evolução molecular   Repetições de microssatélites

Resumo

Populações ameríndias apresentam um padrão de variação característico, com baixa variabilidade intra-populacional e alta variabilidade inter-populacional. Além disso, tem sido sugerido que há menor variabilidade nas populações ameríndias do leste da América do Sul em relação às do oeste. A seleção natural e história demográfica são os principais moduladores da variação intra e inter-populacional. Um dos grandes desafios dos estudos populacionais é distinguir se a variação genética observada é resultado de processos demográficos ou seletivos. Enquanto a história demográfica afeta todos os marcadores genéticos de modo similar, o polimorfismo de loci selecionados dependerá do regime seletivo ao qual estão sujeitos. Dessa forma, a comparação, nos mesmos indivíduos, de loci neutros e loci supostamente selecionados permite distinguir os efeitos da seleção daqueles da história demográfica. As populações ameríndias têm sido extensivamente estudadas para diversos loci, contudo poucos estudos sobrepõem, nos mesmos indivíduos, marcadores Neutros e marcadores supostamente selecionados. Propomos estudar 100 microssatélites (marcadores neutros), e o gene HLA-DRB1, que apresenta evidência de seleção, em populações ameríndias da região do baixo rio amazonas e centro-sul do Brasil. Essa análise contribuirá para: determinar as relações de parentesco entre populações das terras baixas da Amazônia (pouco representadas em estudos recentes) e outras populações ameríndias; 2) testar a hipótese de que populações de terras baixas possuem menor variabilidade genética do que populações andinas; 3) caracterizar como a seleção natural contribui para a diferenciação intra e inter-populacional para um gene envolvido na resposta imunológica (o DRB1). (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
Populações ameríndias da América do Sul: estudo multi-locus e inferência histórico-demográfica e seletiva. 2011. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.