Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo dos efeitos tóxicos de benzo(a)pireno sobre macroalgas vermelhas

Processo: 06/58710-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2007
Vigência (Término): 31 de março de 2009
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Biológica
Pesquisador responsável:Pio Colepicolo Neto
Beneficiário:João Vasconcellos de Almeida
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:01/13482-6 - Aspectos da adaptação bioquímica ao estresse de poluentes em micro e macroalgas marinhas: modulação de antioxidantes celulares e expressão de proteínas de defesa, AP.TEM
Assunto(s):Biomarcadores   Enzimas antioxidantes   Citocromo P-450   Algas   Benzo(a)pireno

Resumo

A diversidade de espécies e nichos ecológicos associados às algas é enorme. Fundamental para a manutenção das condições que permitem a vida no planeta, pois inclusive são a base das cadeias tróficas de ecossistemas aquáticos, as algas vêm sofrendo com o descarte contínuo de resíduos resultantes das atividades do homem. Com o intuito de avaliar e mensurar os efeitos tóxicos que poluentes antropogênicos podem exercer sobre espécies que habitam ambientes aquáticos, esse projeto se propõe a utilizar a macroalga marinha Gracilaría birdiae, uma Rhodophyta (alga vermelha) nativa, como indicador de contaminação aquática quando exposta ao xenobiótico benzo(a)pireno, um hidrocarboneto policíclico aromático (PAH) derivado de petróleo. Para essa investigação, estudaremos as variações de conteúdo e de atividade enzimática de biomarcadores envolvidos em processos de biotransformação e detoxificação de xenobióticos. São eles: 1) o complexo enzimático citocromo P450, biomarcador que responde bem à presença de PAHs e por essa razão é o mais estudado para avaliação de contaminação aquática em modelos animais (moluscos, peixes, mamíferos), e 2) enzimas antioxidantes, como superóxido dismutase, catalase, delta-glutamil-cistenil-glicina. Pouco se sabe a respeito desses processos para algas expostas a PAHs, principalmente para algas vermelhas nativas. Tal abordagem pode trazer conhecimento precioso para um eventual manejo de águas oceânicas e redução de impacto ambiental. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.