Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do uso simultâneo da 3,4-metilenodioximetanfetamina (MDMA ou "ecstasy") com álcool e cafeína sobre a neurogênese, proliferação e sobrevivência celular no giro denteado do hipocampo de ratos

Processo: 07/56126-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência (Início): 01 de abril de 2008
Vigência (Término): 12 de setembro de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Anatomia
Pesquisador responsável:Luiz Fernando Takase
Beneficiário:Luiz Fernando Takase
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:07/52445-5 - Efeitos do uso simultâneo da 3,4-metilenodioxianfetamina (MDMA ou ecstasy) com álcool e cafeína sobre a neurogênese, proliferação e sobrevivência celular no giro denteado do hipocampo de ratos, AP.JP
Assunto(s):Neurogênese   N-metil-3,4-metilenódioxianfetamina   Ecstasy   Receptor 5-HT1A de serotonina   8-OH-DPAT   Álcool   Cafeína

Resumo

O consumo simultâneo do MDMA (3,4-metilenodioximetanfetamina ou "ecstasy") com o álcool e cafeína é um problema grave com conseqüências permanentes e perigosas especialmente entre a população mais jovem, principal usuária destas substâncias. O consumo do MDMA e álcool em humanos tem sido associado a problemas cognitivos (déficit no aprendizado e memória) e depressão. Apesar da interação do MDMA com o álcool ainda não estar completamente esclarecida, a combinação do MDMA com cafeína aumentou o índice de fatalidades nos grupos experimentais e potencializou a ação neurotóxica da droga sobre terminais serotoninérgicos de ratos. Estes problemas cognitivos podem estar diretamente ligados à inibição da neurogênese provocada por estas substâncias no giro denteado do hipocampo, estrutura do SNC envolvida em importantes processos cognitivos, como aprendizado, memória e regulação do humor. Assim, o presente estudo tem como objetivo analisar os efeitos agudos e crônicos do uso simultâneo do MDMA com álcool e cafeína sobre a neurogênese no giro denteado do hipocampo de ratos. Também será avaliada se a administração de 8-OH-DPAT, um agonista de receptores 5-HT1A, pode reverter a diminuição na neurogênese produzida pela administração múltipla destas substâncias. O estudo proposto tem importantes correlações clínicas uma vez que a interação destas drogas pode potencializar a diminuição da neurogênese, proliferação e sobrevivência celular no hipocampo, agravando os problemas cognitivos e comportamentais observados nos usuários destas drogas. (AU)