Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos das misturas heliox (60%he - 40%o2) e oxigenio-nitrogenio (60%n2 - 4o%o2) na hiperinsuflação dinâmica durante o exercício de pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica hipoxêmica

Processo: 07/56629-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2008
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia do Esforço
Pesquisador responsável:Luiz Eduardo Nery
Beneficiário:Ethiane Duarte dos Santos Meda
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil

Resumo

Com evidências de que o Heliox (60%He-40%O2) melhora a capacidade de exercício de pacientes com DPOC sem hipoxemia, hipotetizamos que pacientes com DPOC hipoxêmica possam melhorar seu desempenho com esta mistura, adicionalmente ao efeito da mistura Nitrogênio-Oxigênio (60%N2-40%O2). Isto poderá ser obtido através do efeito do Heliox, reduzindo a resistência de vias aéreas e conseqüentemente levando a um menor trabalho ventilatório e a uma menor hiperinsuflação dinâmica durante o exercício. Objetivo: Avaliar os efeitos agudos das misturas: Heliox e Nitrogênio- Oxigênio na capacidade de exercício e na hiperinsuflação dinâmica em pacientes com DPOC grave, hipoxêmica. Métodos: Através de um estudo randomizado, duplo-cego, cruzado e controlado, serão avaliados 20 pacientes portadores de DPOC com VEF1 menor que 50% do previsto, em uso de oxigenoterapia domiciliar prolongada, por no mínimo seis meses. Eles serão submetidos, de maneira aleatória, a dois testes de exercício cardiorrespiratórios incrementais com as misturas gasosas propostas e farão outros dois testes de exercício submáximos (endurance) com as mesmas misturas. Assim, os desfechos avaliados serão: tempo de tolerância ao exercício, capacidade inspiratória em repouso e durante o exercício, ventilação minuto, freqüência respiratória, escore de Borg de dispnéia, freqüência cardíaca e débito cardíaco não-invasivo (analisados no repouso e no exercício submáximo em isotempo). (AU)