Busca avançada
Ano de início
Entree

Memória e oralidade no cinema de eduardo Coutinho

Processo: 08/54127-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2008
Vigência (Término): 25 de agosto de 2009
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Artes - Cinema
Pesquisador responsável:Francisco Elinaldo Teixeira
Beneficiário:Laécio Ricardo de Aquino Rodrigues
Instituição-sede: Instituto de Artes (IA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil

Resumo

A pesquisa propõe analisar como a memória e a oralidade, categorias importantes nas Ciências Sociais, pontuam a práxis cinematográfica de Eduardo Coutinho, a partir de seu procedimento mais recorrente - a entrevista. Delimitamos como objeto de estudo sua produção audiovisual pós-1990, mais especificamente os filmes "Santo Forte" (1999), "Babilônia 2000" (2000), "Edifício Master" (2002) e "O Fim e o Princípio" (2005). Julgamos, pois, ser relevante investigar as implicações metodológicas e éticas deste cinema consagrado à "palavra" e à "recordação" e que elege como protagonistas grupos sociais de pouca visibilidade midiática. Enumeramos, pois, algumas questões que deverão nortear a pesquisa: Quais as estratégias de rememoração postas em prática pelo cineasta? Como memória individual e memória social se manifestam nos depoimentos presentes nos filmes? Qual o tratamento ético conferido às entrevistas? Em sua interlocução com o "outro", na prática documental, é possível o respeito à alteridade pretendido pelo cineasta (silenciar qualquer etnocentrismo) ou, ao ceder à palavra a seus entrevistados, testemunhamos uma troca de sua ficção pela fabulação do personagem, numa experiência que apenas dissimula sua autoridade na produção? Sobre o diretor: cineasta egresso do "Centro Popular de Cultura" da União Nacional dos Estudantes (CPC-UNE), Coutinho possui uma trajetória singular. Em vez de migrar do documentário para a ficção, fez o percurso inverso, radicando-se num campo muitas vezes menosprezado como gênero menor por centralizar poucos recursos e apresentar inexpressivas bilheterias. É neste segmento, porém, que ele consolidou uma cinematografia de notável êxito crítico. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
RODRIGUES, Laécio Ricardo de Aquino. A primazia da palavra e o refúgio da memória : o cinema de Eduardo Coutinho. 2012. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Artes.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.