Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise funcional de caderinas nas gônadas de Apis mellifera: produção de anticorpos específicos e silenciamento da função gênica por RNAi

Processo: 07/05416-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2008
Vigência (Término): 31 de julho de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Klaus Hartmann Hartfelder
Beneficiário:Mônica Mazzei Florecki
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:05/03926-5 - Genômica funcional de Apis mellifera: busca de novos genes e redes funcionais no contexto do desenvolvimento, da diferenciação de castas e da reprodução, AP.TEM
Assunto(s):Interferência de RNA   Anticorpos   Biologia do desenvolvimento   Apis mellifica

Resumo

Abelhas melíferas são insetos altamente sociais caracterizados pela sobreposição de gerações e pela presença de sexos e castas fenotipicamente diferentes. Zangões e rainhas são responsáveis pelo processo reprodutivo, enquanto as operárias são funcionalmente estéreis e desempenham diversas tarefas ao longo de suas vidas. O ovário de Apis mellifera é classificado como meroístico politrófico, no qual a ovogênese se inicia com a divisão assimétrica de uma célula-tronco germinativa, originando uma nova célula-tronco germinativa e uma célula comprometida com o processo de diferenciação, chamada cistoblasto, que passa por sucessivas divisões mitóticas incompletas até formar uma roseta de cistócitos a se diferenciarem, posteriormente, em ovócito e células trofocíticas. A espermatogênese, da mesma forma, também é iniciada com a divisão assimétrica de uma célula-tronco germinativa, chamada espermatogônia primária, originando uma nova célula-tronco e uma espermatogônia secundária que passa por seguidas divisões mitóticas antes que inicia a meiose. Alguns estudos demonstraram a importância das caderinas na gametogênese de invertebrados, principalmente de Drosophila, na qual a E-caderina é fundamental para o ancoramento das células-tronco germinativas no ápice de ovaríolos e testíolos. Em ovários e testículos de Apis mellifera, nossos estudos mostraram que caderinas estão distribuídas pelo citoplasma de células germinativas e somáticas, indicando que talvez possam ter alguma função alternativa além da adesão intercelular. Entretanto, como os experimentos para imunolocalização de caderinas nas gônadas de abelhas melíferas foram realizados com anticorpos heterólogos, contra domínio citoplasmático de N-caderina de galinha, não sabemos ao certo quais caderinas são reconhecidas pelos mesmos. Para tanto, propomos neste projeto a produção de anticorpos específicos contra seqüências dos domínios extracelular e citoplasmático de E-caderina e N-caderina de Apis mellifera, de modo que possamos verificar a expressão de cada uma e esclarecer se as caderinas reconhecidas anteriormente no citoplasma das células são proteínas inteiras ou somente o domínio citoplasmático clivado. Estudos funcionais serão realizados através do silenciamento de E-caderina e N-caderina com RNA dupla fita diluído em meio de cultivo, no qual serão mantidas as gônadas a serem analisadas, posteriormente, por RT-PCR, Western blot, imunofluorescência e, possivelmente também por microarranjo genômico. A produção de anticorpos aliada ao silenciamento gênico deverá contribuir na elucidação do papel das caderinas nas gônadas, além de ampliar as possibilidades de análises morfológicas da gametogênese.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
FLORECKI, MONICA M.; HARTFELDER, KLAUS. Cytoplasmic and nuclear localization of cadherin in honey bee (Apis mellifera L.) gonads. Cell Biology International, v. 35, n. 1, p. 45-49, JAN 2011. Citações Web of Science: 1.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.