Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel de CCR4 na infecção experimental por Paracoccidioides Brasiliensis: controle da migração de células TCD4+CD25+ para o local da lesão

Processo: 07/05110-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2008
Vigência (Término): 31 de agosto de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:João Santana da Silva
Beneficiário:Fernanda Agostini Rocha
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Quimiocinas   Receptores de quimiocinas   Paracoccidioides brasiliensis

Resumo

Durante a eliminação de um patógeno pelo sistema imune, mecanismos reguladores são desencadeados visando eliminar parte das células efetoras, de tal forma que o sistema retorne ao seu estado basal. Alguns patógenos, no entanto, como Toxoplasma gondii, Trypanosoma cruzi e Leishmania, persistem no hospedeiro, estabelecendo infecções latentes com as possíveis conseqüências relacionadas à reativação da doença. Similarmente, o P. brasiliensis pode desenvolver infecções latentes e ser reativado muito mais tarde, sendo que os mecanismos responsáveis pela manutenção ou quebra do estado de latência não foram totalmente elucidados. Na infecção por L. major, a persistência do patógeno em camundongos resistentes é controlada por células T reguladoras (Treg), que atuam no sentido de suprimir a resposta imune contra o patógeno, mantendo o estado de latência e facilitando a sobrevida dos parasitas.As células T reguladoras CD4+CD25+ (Treg) estão presentes em lesões pulmonares de pacientes com paracoccidioidomicose (PCM), doença crônica, granulomatosa, causada pela inalação de propágulos aéreos do fungo Paracoccidioides brasiliensis, e podem estar envolvidas nos casos de recidivas, comumente relacionadas a esta micose. Estudos prévios em nosso laboratório demonstraram que o receptor de quimiocina CCR5 modula a migração e a função supressora das células Treg favorecendo a sobrevivência do fungo dentro dos granulomas. Como a migração dessas células é parcialmente dependente do receptor de quimiocina CCR4, avaliaremos o papel do mesmo durante a infecção por P. brasiliensis em camundongos C57BL/6 e geneticamente deficientes de CCR4 (CCR4-/-).