Busca avançada
Ano de início
Entree

Padrão de metilação da KvDMR e da H19DMR em mulheres com PRÉ-ECLÂMPSIA/ECLÂMPSIA

Processo: 07/05982-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2008
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Ester Silveira Ramos
Beneficiário:Karine Coelho
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Obstetrícia   Epigênese genética   Metilação   Imprinting genômico   Pré-eclâmpsia

Resumo

RESUMOA pré-eclâmpsia caracteriza-se pelo aumento da pressão arterial e proteinúria, a partir da 20ª semana de gravidez. Sua potencialidade para complicações, a exemplo da eclâmpsia, a qualifica como um dos mais sérios agravos à saúde da mulher neste período. Uma das particularidades marcantes dessa doença é o fato de sua etiologia não ter sido ainda determinada com certeza. Recentemente, foi sugerido que alterações no imprinting genômico, um mecanismo regulado epigeneticamente segundo o qual os genes se expressam de acordo com sua origem parental (paterna ou materna), poderiam estar envolvidas no desenvolvimento da doença. Na região cromossômica 11p15.5 encontram-se vários genes importantes para o desenvolvimento fetal e placentário e que são regulados por regiões controladoras de imprinting (ICRs) entra as quais a KvDMR1 (ou ICR2). O presente trabalho tem como objetivo verificar a associação de PE com modificações do perfil de metilação da KvDMR1. Serão selecionadas aproximadamente 10 pacientes que apresentaram PE e 20 mulheres primíparas ou multíparas sem história de PE/E. Após a extração do DNA de tecido placentário, serão utilizadas técnicas de Biologia Molecular [Reação em Cadeia da Polimerase Específica para a Metilação (MS-PCR) e Método de Digestão Enzimática Sensível à Metilação Associada à PCR em Tempo Real (DESM-RT)] para o estudo do padrão de metilação da KvDMR1. Os resultados, além do interesse científico, serão correlacionados aos achados clínicos podendo o padrão de metilação da KvDMR1, no futuro, servir como um marcador epigenético da doença.