Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudos funcionais da Stanniocalcina-1, uma proteína marcadora do microambiente tumoral, e desenvolvimento de um ensaio para sua detecção em soros de pacientes com leucemia

Processo: 07/07778-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de maio de 2008
Vigência (Término): 31 de agosto de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Jörg Kobarg
Beneficiário:Marcos Tadeu dos Santos
Instituição-sede: Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS). Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Brasil). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Técnicas de diagnóstico molecular   ELISA   Câncer infantil   Leucemia   Comunicação parácrina   Stanniocalcina-1   Interferência de RNA

Resumo

O estudo da proliferação e invasão de células cancerígenas tem avançado significativamente nos últimos anos, devido principalmente às novas descobertas científicas. A busca por métodos de tratamentos e diagnósticos alternativos tem levado a uma melhoria na qualidade de vida dos pacientes, que são tratados com técnicas cada vez mais eficientes e mais rápidas. A leucemia infantil merece um enfoque especial, não somente devido sua agressividade, mas também por ser a neoplasia mais frequente na infância. Num contexto maior de uma colaboração inter-institucional entre o Boldrini e o LNLS, propomos neste presente projeto de doutoramento, estudar o microambiente tumoral da leucemia, desvendando a ação da proteína humana secretada, paracrina, STC-1, através da identificação de receptores ou outros ligantes os quais ela interaja, utilizando para isso estudos de espectrometria de massas e de duplo híbrido em levedura. A proteína STC-1 foi identificada como uma boa molécula candidata a marcador do microambiente tumoral em ensaios de qRT-PCR previamente realizados em nosso grupo. Além da identificação do receptor de STC-1, pretendemos estudar as modificações celulares e moleculares que a super-expressão e/ou a inibição da expressão (via RNA de interferência) de STC-1 venham a gerar nas células leucêmicas. Finalmente, pretendemos ainda desenvolver um novo método, baseado na técnica de ELISA (enzyme linked immunosorbent assay) para a identificação da proteína marcadora STC1 no soro dos pacientes, utilizando anticorpos monoclonais específicos. (AU)