Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da musculatura do assoalho pélvico de mulheres que apresentam vulvovaginites recorrentes, vulvodíneas e vulvovestibulites

Processo: 08/02137-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2008
Vigência (Término): 31 de agosto de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Paulo César Giraldo
Beneficiário:Nádia Cristina Polpeta Breda
Instituição-sede: Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM). Hospital da Mulher Professor Doutor José Aristodemo Pinotti. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Vulvodínia   Tocoginecologia   Fisioterapia

Resumo

A dor e o desconforto vulvoperineal causadas por vulvaginites recorrentes (VVR), vulvodíneas (VVD), e vulvoestibulites (VVS) atingem um grande número de mulheres afetando sua vida sexual e social, sendo consideradas desordens ginecológicas de maior estresse com grandes consequências psicológicas. Os envolvimentos da musculatura do assoalho pélvico nestas patologias, como um agravante ou como agente desencadeador, têm sido cada vez mais ressaltados e questionados nos estudos. Objetivo: Verificar se existe alguma disfunção do assoalho pélvico de mulheres com VVR ou VVD ou VVS. Sujeitos e métodos: Estudo de corte transversal não intervencional. Serão selecionadas 96 mulheres atendidas no Ambulatório de Infecções genitais do Departamento de Tocoginecologia da FCM/Unicamp, sendo 16 com VVR, 16 com VVD, 16 com VVS e 48 sem estas doenças. A avaliação da musculatura do assoalho pélvico será feita através da eletromiografia de superfície [(s)EMG] e da pressão intravaginal, com as pacientes nas posturas ginecológicas e ortostática em três momentos: com a musculatura do assoalho pélvico relaxada, realizando contração e endurance da musculatura do assoalho pélvico. Para coleta, registro e armazenamento dos dados obtidos e análise estatística preliminar utilizaremos aparelho Miotool 400 juntamente com seu software específico, ambos desenvolvidos pela empresa Miotec Equipamentos Biomédicos. A análise estatística dos dados finais será feita por ANOVA para medidas repetidas, um nível de significância de 5%.Espera-se, encontrar que essas mulheres apresentem potenciais elétricos da musculatura perineal e pressões vaginais muito superiores aos controles.