Busca avançada
Ano de início
Entree

Variação morfológica geográfica em lagartos dos gêneros Vanzosaura e Micrablepharus (Squamata, Gymnophthalmidae, Gymnophthalmini) e teste de hipóteses causais com auxílio de modelagem de distribuição potencial

Processo: 08/07598-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2009
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Zoologia Aplicada
Pesquisador responsável:Miguel Trefaut Urbano Rodrigues
Beneficiário:Renato Sousa Recoder
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Herpetologia   Biogeografia

Resumo

O estudo de padrões de variação geográfica fornece subsídios para a compreensão do papel de mecanismos microevolutivos para a diferenciação, especiação e adaptação em espécies. As causas que levam à variação geográfica podem ser resumidas em fatores ecológicos atuais e fatores históricos. Estudos com lagartos tropicais mostram a importância de gradientes ecológicos e isolamento para a diferenciação morfológica intraespecífica. Hipóteses sobre a diversificação na região neotropical são inúmeras. Apesar da grande diversidade biológica e heterogeneidade ambiental da região de áreas abertas cis-andinas, esta tem sido pouco prestigiada em detrimento de formações florestais para estudos da diferenciação da fauna neotropical. Os gêneros Vanzosaura e Micrablepharus são compostos por três espécies de lagartos microteídeos filogeneticamente próximos e com ampla distribuição em formações abertas sul-americanas. Apesar da semelhança morfológica e proximidade de parentesco esses gêneros possuem padrões de distribuição e de uso de hábitat muito distintos, o que motiva a investigação comparativa de padrões de diferenciação fenotípica e possíveis mecanismos causais envolvidos. Os objetivos do presente estudo são: detectar quais caracteres morfológicos e de coloração variam em Vanzosaura e Micrablepharus, descrever como o conjunto de variações intraespecíficas distribuem-se geograficamente e testar quais hipóteses causais para a diferenciação morfológica (variação por alopatria ou gradientes ecológicos) postuladas e obtida através de modelagem de distribuição potencial, podem ser testadas com base em correlações com padrões obtidos.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.