Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da inflamação articular sobre o músculo esquelético - avaliação morfológica e molecular

Processo: 08/10663-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2009
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Tania de Fatima Salvini
Beneficiário:Liliana Carolina Ramirez Ramirez
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Sistema musculoesquelético   Músculo esquelético   Fisioterapia   Expressão gênica   Inflamação

Resumo

O laboratório de Plasticidade Muscular da UFSCar desenvolve há vários anos, trabalhos sobre a adaptação do tecido muscular a diferentes tipos de estímulos frequentemente utilizados pelo fisioterapeuta na reabilitacao muscular, como o alongamento e a eletroestimulação, contribuindo com a literatura científica nesta área(Gomes et al., 2004, 2006; Coutinho et al., 2004,2006; Russo et al., 2007; Peviani et al,. 2007). Um tema de interesse de nosso grupo, mas ainda não foi estudado em nosso laboratório, seria o efeito da inflamação articular sobre o músculo esquelético. O estudo deste tema é importante para a área de Fisioterapia e Reabilitação de modo geral, já que em presença de inflamação articular a intervenção terapêutica tem sido focada principalmente no controle dos sinais e sintomas da doença articular. Evidências clínicas indicam que afecções articulares tornam os músculos relacionados à articulação acometida mais suscetíveis à atrofia e perda de força. Embora se saiba que os músculos esqueléticos se alteram nessas condições, há carência na literatura de estudos que avaliem os mecanismos moleculares envolvidos nessa adaptação. O estudo deste tema tem relevância clínica e poderá fornecer subsídios para a intervenção terapêutica nos músculos esqueléticos associados à articulação acometida. Entender os mecanismos de adaptação molecular desses músculos pode contribuir para o desenvolvimento de novas estratégias de tratamento que possam contemplar também os músculos esqueléticos. A hipótese deste estudo é que a inflamação articular acarreta em atrofia e alterações moleculares nos músculos de contração lenta e rápida relacionados a essa articulação acometida. O presente estudo tem por objetivo avaliar o efeito da inflamação da articulação tíbio-társica do rato sobre a expressão de genes relacionados à atrofia (atrogina-1 e MuRF-1), diferenciação e crescimento (MyoD), regulação massa (miostatina) bem como genes relacionados com a via de proteolise mediada por citocinas inflamatórias (TNF-alpha, NFkB e MAPK), nos músculos Sóleo (contração lenta) e Tibial anterior (TA) (contração rápida). As possíveis alterações na área de secçao transversa das fibras musculares tambem será avaliada. Considerando que há evidência clínica de que as lesões articulares levam as adaptações musculares, a hipótese deste estudo é que a inflamação articular acarreta em atrofia e alterações moleculares nos músculos relacionados a essa articulação. O presente projeto tem por objetivo avaliar o efeito da inflamação da articulação tíbio-társica sobre a expressão dos genes TNF±, NFkB, p38MAPK, atrogina-1, MuRF1 e MyoD e análise de suas respectivas proteínas, bem como a área de seção transversa das fibras dos músculos Sóleo e TA de rato. Metodologia: 64 ratos Wistar serão distribuídos en dois experimentos (48 horas e 7 dias), cada um com cuaotro grupos experimentais (Controle, Inflamação, Sham e Imobilização). Após 48 horas e 7 dias de ter sido injectada carragegina na articulação tibio-társica, os músculos soleo e TA serão retirados com o animal vivo e anestesiado; será feita a análise histológica e da expressão gênica (extração do RNA total,RT-PCR (Reverse Transcriptase - Polymerase Chain Reaction) e Real Time-PCR), Western Blot e imunoflorescencia. Para a análise dos resultados será aplicada a ANOVA one - way seguida pelo teste de Tukey, considerando um nivel de significância mínimo de 0.05.