Busca avançada
Ano de início
Entree

Modulação química e gênica de vias de sinalização como estratégia para controlar a agressividade do melanoma

Processo: 09/00144-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2009
Vigência (Término): 31 de julho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Enzimologia
Pesquisador responsável:Carmen Veríssima Ferreira
Beneficiário:Daisy Machado
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Agressividade   Transdução de sinais   Metástase   Melanoma   MicroRNAs

Resumo

O melanoma é a forma mais agressiva de câncer de pele e embora sua incidência seja menor do que os cânceres de pele não-melanoma, seu progresso leva à metástase, fator relacionado com péssimo prognóstico. Portanto, em termos de estratégias terapêuticas do melanoma tem-se dado ênfase no controle da resistência e da mestástase. Neste contexto, moléculas pequenas com atividade antitumoral bem como silenciamento gênico, são promissores e têm despertado grande interesse pelas indústrias farmacêuticas. Recentemente observamos que a riboflavina (RF) irradiada induz apoptose de células de câncer de próstata, renal, melanoma e leucemia mielóide. Além disto, dados inéditos do nosso grupo apontam a proteína fosfatase de baixo peso molecular (LMWPTP) como mediadora da resistência e agressividade de células leucêmicas e de próstata. Desta forma, este projeto tem como objetivo geral modular química e geneticamente vias de transdução de sinal associadas com a sobrevivência, resistência e agressividade do melanoma. Para este fim, 2 estratégias experimentais serão utilizadas: tratamento das células de melanoma com a riboflavina irradiada e posterior análise das seguintes moléculas: Src quinase, proteína GLI, LMWPTP, Bcl-2, Apaf-1, PTEN e microRNAs (let-7a , 7b e miR-137); silenciamento da LMWPTP através da utilização de RNA de interferência. O potencial da riboflavina irradiada bem como do silenciamento da LMWPTP serão avaliados através dos ensaios de viabilidade, migração e invação das células de melanoma. A proposta tem caráter inovador, multidisciplinar, e poderá fornecer grande contribuição para a pesquisa básica e aplicada na área do estudo do câncer. As estratégias experimentais também tornam o projeto altamente competitivo em termos de pesquisa mundial. Em termos econômicos, a utilização da riboflavina como agente antitumoral pode representar um grande benefício para o sistema de saúde público brasileiro.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MACHADO, DAISY; SHISHIDO, SILVIA M.; QUEIROZ, KARLA C. S.; OLIVEIRA, DIOGO N.; FARIA, ANA L. C.; CATHARINO, RODRIGO R.; SPEK, C. ARNOLD; FERREIRA, CARMEN V. Irradiated Riboflavin Diminishes the Aggressiveness of Melanoma In Vitro and In Vivo. PLoS One, v. 8, n. 1 JAN 16 2013. Citações Web of Science: 16.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
MACHADO, Daisy. Modulação da agressividade do melanoma por flavinas. 2012. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Biologia.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.