Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência dos cactos hospedeiros na variação de caracteres sistemático-taxonômico nas espécies Drosophila serido e Drosophila antonietae

Processo: 09/03594-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2009
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Pesquisador responsável:Maura Helena Manfrin
Beneficiário:Cintia Graziela Santos
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Asa   Biologia evolutiva   Morfometria   Drosophila

Resumo

Variação fenotípica na natureza e evolução do tamanho e forma de caracteres dos organismos têm sido temas centrais de pesquisas. As investigações sobre esta variação morfológica podem envolver análises simultâneas de fatores genéticos e ambientais que causariam variação intra-específica e divergência interespecífica. Vários trabalhos mostraram que cactos hospedeiros diferentes podem ser fontes de variação fenotípica para as espécies de Drosophila cactófilas que utilizam tecidos necrosados de cactos como sítio de desenvolvimento larval. Drosophila serido e D. antonietae são espécies crípticas, pertencentes ao "cluster" D. buzzatii, o qual compreende sete espécies cactófilas endêmicas da América do Sul. Análises de populações destas espécies na região costeira dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul identificaram uma área de contato secundário, sem formação de híbridos entre elas. Nesta região, D. serido e D. antonietae podem ser coletadas a partir de cladódios em decomposição de duas espécies de cactos, Opuntia monacantha e Cereus hildmaniannus. Nesta área, D. serido emerge preferencialmente de tecidos necrosados da primeira espécie de cacto, enquanto D. antonietae preferencialmente da segunda. Neste projeto, nosso objetivo é investigar as bases ecológicas e genéticas da variação morfológica de caracteres sistemático-taxonômicos, como a morfologia da asa e edeago, em relação ao tipo de cacto hospedeiro. Serão analisadas populações alopátricas e simpátricas de D. serido e D. antonietae, por meio da técnica de morfometria geométrica.