Busca avançada
Ano de início
Entree

O absurdo do teatro: Endgame e os limites da dramaturgia

Processo: 09/04180-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2009
Vigência (Término): 30 de abril de 2011
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras - Teoria Literária
Pesquisador responsável:Fabio Akcelrud Durão
Beneficiário:Tauan Fernandes Tinti
Instituição-sede: Instituto de Estudos da Linguagem (IEL). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Teatro   Sigmund Freud   Walter Benjamin   Samuel Beckett

Resumo

O presente trabalho busca situar Endgame, de Samuel Beckett, em uma posição-limite das possibilidades da dramaturgia, em consonância com a leitura que Theodor Adorno (1982) faz da peça, ao declarar que nela se apresenta o resultado da história, sua decadência. Para tanto, fazemos uso de uma construção teórica calcada principalmente no cruzamento entre a caracterização que Walter Benjamin (2004) elabora do drama trágico alemão, em que tanto o luto quanto a melancolia têm um papel preponderante, e as reflexões psicanalíticas de Sigmund Freud (1986 [1917]) sobre esses dois estados psíquicos. No giro teórico aqui proposto, o apego extremo aos objetos que caracteriza a disposição melancólica do drama trágico relaciona-se a uma perda das possibilidades do tempo da tragédia, que é definida, para Benjamin, a partir do sacrifício fundador do herói, e esse mesmo apego extremo impossibilita a realização de um trabalho de luto. Ainda de acordo com Benjamin, outro aspecto fundamental do drama trágico é a apresentação de um acúmulo de catástrofes contrário à idéia de progresso geral da humanidade, o que é refratado na situação "pós-catastrófica" de Endgame, onde nenhuma possibilidade de mudança é admitida. Assim, nossa hipótese situa a peça de Beckett nos limites da dramaturgia, sendo construída a partir de um vazio de sentido e funcionando como uma espécie de epílogo à sombra da tragédia sobre a representação dramática. Desse modo, propomos que Endgame reconfigura as tradições dramática e crítica a partir do limite que cria, e é nosso intuito verificarmos como a peça se comporta com relação aos impasses que ela própria assinala.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
TINTI, Tauan Fernandes. Endgame no limite da interpretação. 2011. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Estudos da Linguagem.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.