Busca avançada
Ano de início
Entree

Recobrimento de Tela de Polipropileno com Quitosana e Polietileno Glicol por Deposição via Electrospinning

Processo: 09/06463-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2009
Vigência (Término): 31 de julho de 2011
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química - Processos Industriais de Engenharia Química
Pesquisador responsável:Angela Maria Moraes
Beneficiário:Walter Anibal Rammazzina Filho
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Quitosana   Eletrofiação   Bioprocessos   Hérnia

Resumo

O uso de implantes em cirurgias de correção da parede abdominal é freqüentemente necessário. Telas de polipropileno podem ser empregadas com sucesso para essa finalidade pois além de possuírem boa aceitação tecidual, são de baixo custo. O uso deste tipo de biomaterial pode, porém, ocasionar a aderência indesejada entre tecidos e/ou entre órgãos como o fígado e os intestinos e a tela, resultando em fortes dores abdominais, obstrução intestinal e infertilidade humana. Uma opção para minimizar tais reações indesejáveis contra o dispositivo implantado é o uso de géis e filmes de materiais biocompatíveis não aderentes, como a quitosana, como barreiras para a redução do contato entre a tela de polipropileno e os tecidos biológicos, evitando a ocorrência de reação inflamatória local. Neste contexto, o objetivo deste projeto é o recobrimento de telas de polipropileno com quitosana e polietileno glicol (PEG) através da técnica de deposição via electrospinning. As variáveis cujos efeitos nas características do material recoberto serão analisadas são o tipo de solvente para a dissolução da quitosana e do PEG, o uso de tensoativos para melhorar a dispersão dos polímeros, o volume de solução de recobrimento, a proporção quitosana/PEG, a massa molecular do PEG, e a diferença de potencial utilizada durante a deposição. A caracterização das amostras recobertas será realizada pela análise do aspecto e da morfologia das telas recobertas, da espessura e da homogeneidade do recobrimento, da capacidade de hidratação do conjunto tela/recobrimento em fluidos similares aos biológicos, da perda de massa nos mesmos fluidos após 10 dias, da ocorrência de desprendimento do recobrimento da tela após a hidratação e da resistência mecânica dos dispositivos obtidos. Tem-se por metas específicas obter um recobrimento homogêneo, de pequena espessura, com desprendimento mínimo da tela no período de 10 dias (período em que é mais provável ocorrer a formação de adesões peritoniais ao biomaterial quando de sua aplicação in vivo), que sofra pequena perda de massa durante os primeiros 10 dias em soluções que simulem fluidos corpóreos e que apresente adequada capacidade de absorção de fluidos no período entre 24 e 48 horas, de forma a se ter um compromisso adequado entre sua hidratação e degradação por solubilização. Finalmente, espera-se que não ocorram alterações significativas nas características de resistência mecânica originais da tela de polipropileno.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
FILHO, Walter Anibal Rammazzina. Recobrimento de tela de polipropileno com quitosana e polietileno glicol por deposição via electrospinning. 2011. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Faculdade de Engenharia Química.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.