Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise morfológica e imunocitoquímica do cérebro de larvas de abelhas africanizadas Apis mellifera após exposição à doses subletais de tiametoxam

Processo: 09/06701-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2010
Vigência (Término): 30 de abril de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Zoologia Aplicada
Pesquisador responsável:Osmar Malaspina
Beneficiário:Daiana Antonia Tavares
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/57122-7 - Procura de compostos líderes para o desenvolvimento racional de novos fármacos e pesticidas a partir bioprospecção da fauna de artrópodes brasileiros, AP.BTA.TEM
Assunto(s):Cérebro   Toxicologia   Apis mellifica   Imuno-histoquímica

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo avaliar as possíveis alterações morfológicas e imunocitoquímicas, induzidas pela aplicação de doses subletais do inseticida tiametoxam, no cérebro de larvas de operárias de Apis mellifera submetidas aos bioensaios laboratoriais de toxicidade (exposição aguda e crônica). Com essa finalidade serão coletadas larvas de 1º instar de Apis mellifera, as quais serão acondicionadas individualmente em cúpulas de poliestireno contendo alimento previamente preparado. As larvas serão alimentadas diariamente (do 1º ao 5º dia). No grupo controle, o alimento será composto apenas da dieta artificial, enquanto que nos grupos experimentais o composto químico tiametoxam será adicionado ao alimento. O experimento será realizado em triplicata, conforme o método de Aupinel (2005 e 2007). Inicialmente, será realizado o bioensaio para determinação da DL50. Em seguida, serão utilizadas as doses subletais para os bioensaios toxicológicos e posterior avaliação morfológica e detecção imunocitoquímica de morte celular e de HSP90, no cérebro das larvas expostas a esse inseticida neonicotenóide. Na exposição aguda, as larvas serão acondicionadas nas cúpulas e devidamente alimentadas e serão expostas à dose única de tiametoxam (DL50/10) somente no 4º dia do experimento. As larvas serão coletadas após 24h (n=5) e 48h (n=5) de exposição, tanto dos grupos experimentais como do controle. Na exposição crônica, as larvas acondicionadas nas cúpulas serão expostas diariamente ao tiametoxam (DL50/100) do primeiro ao 4º dia. As larvas serão coletadas após 24h (n=5) e 48h (n=5). Os cérebros coletados serão rotineiramente processados para inclusão em historesina (análise morfológica) e inclusão em parafina (análise imunocitoquímica). A avaliação da ação do tiametoxam em cérebros de larvas de operárias de Apis mellifera, contribuirá para o entendimento da ação dos inseticidas neonicotenóides no início da formação dos lobos antenais e dos corpos pedunculados no 5º instar larval.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
TAVARES, DAIANA ANTONIA; ROAT, THAISA CRISTINA; CARVALHO, STEPHAN MALFITANO; MATHIAS SILVA-ZACARIN, ELAINE CRISTINA; MALASPINA, OSMAR. In vitro effects of thiamethoxam on larvae of Africanized honey bee Apis mellifera (Hymenoptera: Apidae). Chemosphere, v. 135, p. 370-378, SEP 2015. Citações Web of Science: 26.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
Análise morfológica e imunocitoquímica do cérebro de abelhas africanizadas Apis mellifera após exposição à doses subletais do inseticida tiametoxam. 2011. 75 f. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociências (Campus de Rio Claro). Rio Claro.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.