Busca avançada
Ano de início
Entree

Batroxase, uma nova metaloprotease de classe PI isolada do veneno de Bothrops atrox: avaliação da atividade funcional.

Processo: 09/06488-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2009
Vigência (Término): 31 de março de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Pesquisador responsável:Suely Vilela
Beneficiário:Lanuze Graziele Benato de Toni
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Toxicologia   Serpentes   Inflamação

Resumo

Peçonhas de serpentes do gênero Bothrops provocam reações sistêmicas e locais como coagulopatias, hemorragia, reação inflamatória, dor e mionecrose. A complexidade dos efeitos sistêmicos e locais ocorre devido à diversidade de elementos inorgânicos e frações orgânicas que são representadas por toxinas, maioria de caráter protéico como PLA2, serinoproteases, metaloproteases, toxinas que atuam sob a agregação plaquetária, família de peptídeos potenciadores de bradicinina e fatores de crescimento, entre outras. Da peçonha de Bothrops atrox já foram isoladas algumas proteínas e enzimas como a trombolectina, atroxina, batroxobina, trombocetina, fosfodiesterases, hemorraginas, fosfolipases e L-aminoácido oxidases, as quais promovem diversificadas atividades biológicas como indução da agregação plaquetária, hemaglutinação, além de atividades hemorrágica, necrótica e citotóxica. As metaloproteases de classe PI são proteínas multimodulares que compreendem um peptídeo sinal, um pró-domínio e um domínio metaloprotease, onde esse último domínio é responsável por catalisar, de maneira zinco-dependente, a quebra da ligação peptídica. Biologicamente, são responsáveis por efeitos hemorrágicos (fibrinogenolíticos), podendo participar de processos interferentes na hemostasia, além de causar inflamação. A batroxase é uma metaloprotease de classe PI purificada da peçonha de Bothrops atrox e que apresenta peso molecular relativo de 27,5 kDa e dose hemorrágica mínima (DHM) de 10 µg, com alta atividade proteolítica (0,5µg), degradando preferencialmente a cadeia Bb do fibrinogênio e em concentrações elevadas (1,0µg) a cadeia A a , mas não apresentou atividade coagulante sobre plasma citratado, O presente projeto tem como objetivo caracterizar a ação proteolítica da batroxase, além aprofundar o estudo do mecanismo de atividades biológicas dessa toxina. Serão realizados ensaios de atividade enzimática para avaliar as atividades proteolíticas sobre diferentes substratos, assim como atividades fibrinolíticas e trombolíticas "in vitro". A avaliação biológica será realizada através da determinação da atividade hemorrágica, coagulante, efeito sobre as plaquetas, ensaios de adesão, citotoxicidade, hiperalgesia e inflamação, onde será avaliado o exsudato inflamatório da cavidade peritoneal de camundongos com análise de citocinas pelo técnica de "ELISA". Na atividade edematogênica será determinado o envolvimento de mediadores inflamatórios. Para os ensaios de citotoxicidade serão utilizadas células normais e tumorais de camundongos, sendo avaliadas pelo método colorimétrico do MTT: 3-(4,5-Dimetil tiazol 2-il) 2,5-Difenil Brometo de Tetrazolium, o mecanismo de morte das células serão avaliados por citometria de fluxo. Os resultados obtidos pelo presente trabalho poderão gerar informações necessárias para o desenvolvimento de terapias relacionadas a processos inflamatórios e doenças que afetam a hemostasia, além de elucidar mecanismos de ação dessa toxina na fisiopatologia do envenenamento.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
TONI, Lanuze Graziele Benato de. Batroxase, uma nova metaloprotease da classe PI isolada da peçonha de Bothrops atrox: avaliação da atividade funcional. 2011. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.