Busca avançada
Ano de início
Entree

Diferencas de atividades proliferativa e apoptotica entre celulas do sangue periferico e da medula ossea de pacientes com leucemia linfoide cronica.

Processo: 07/50947-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2007
Vigência (Término): 31 de agosto de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:MARCO ANTONIO ZAGO
Beneficiário:Francisco de Paula Careta
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/14247-6 - Center for Research on Cell-Based Therapy, AP.CEPID
Assunto(s):Expressão gênica   Análise de sequência com séries de oligonucleotídeos   Reação em cadeia da polimerase em tempo real   Biologia molecular

Resumo

Os pacientes com leucemia linfocítica crônica (LLC) podem ser separados em pelo menos dois subgrupos, de acordo com o prognóstico da doença. Pacientes cujas células B expressam mutações da cadeia pesada de imunoglobulina (IgVH) geralmente não expressam Zap-70 e têm um melhor prognóstico quando comparados com aqueles que não possuem mutações e expressam Zap-70. Independente do prognóstico, a maioria das células do sangue periférico (SP) encontram-se estacionadas na fase G0/G1 do ciclo celular, o que levou à idéia de que a LLC é uma doença de baixo índice de proliferação celular. No entanto, evidências como o tamanho do telômero e a atividade da telomerase indicam que as células de LLC passam por um considerável número de divisões e que a LLC Zap-70+ possui um nível proliferativo maior que a LLC Zap-70-. Acredita-se que o compartimento onde ocorre a proliferação celular situe-se dentro dos linfonodos e da medula óssea (MO). Até o momento, a LLC é considerada como uma doença incurável e, embora os tratamentos resultem na redução dos linfócitos no SP, as células B da LLC presentes na MO e nos linfonodos são menos sensíveis aos tratamentos. Além disso, a persistência das células da LLC na medula óssea é associada com o aumento do risco de recaída da doença. O objetivo desse trabalho é identificar diferenças no comportamento funcional de células neoplásicas do SP e da MO de pacientes com LLC. Para isso, propomos analisar a expressão gênica pela metodologia de microarrays em células B provenientes da MO e do SP de pacientes com LLC Zap-70+ e Zap-70- para identificar vias que possam estar relacionadas com os mecanismos proliferativos celulares. (AU)