Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do mecanismo de efeito anti-apoptótico de galectina-3 em células de glioma e seu papel no desenvolvimento de áreas de pseudopaliçada in vivo

Processo: 09/10857-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2009
Vigência (Término): 31 de outubro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Roger Chammas
Beneficiário:Rafael Yamashita Ikemori
Instituição-sede: Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (ICESP). Coordenadoria de Serviços de Saúde (CSS). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/14247-6 - Center for Research on Cell-Based Therapy, AP.CEPID
Assunto(s):Anóxia   Glioma   Galectina 3   Oncologia

Resumo

O câncer vem sendo estudado por diversos pesquisadores a fim de se entender melhor seu desenvolvimento e métodos de combate. Entre os tipos de câncer, os gliomas, tumores do sistema nervoso central, são largamente estudados devido as suas altas taxas de letalidade, sendo os astrocitomas, mais necessariamente os glioblastomas, as neoplasias mais comuns e que possuem pior prognóstico.Os glioblastomas são refratários aos principais métodos de tratamento por sua plasticidade, crescimento infiltrativo e heterogeneidade. Histologicamente, estes tumores apresentam atipia nuclear, altas taxas de mitose e áreas de pseudopaliçada.Postula-se que estas áreas sejam compostas por células migrantes de ambientes necróticos, os quais são também hipóxicos devido a sua distância de vasos sangüíneos e expressam o Fator Induzido por Hipóxia (HIF-1). Esta molécula atua na indução de diversos genes de adaptação a privação de oxigênio e está correlacionada à outra proteína largamente estudada devido a suas diversas habilidades, a galectina-3.A galectina-3 pertence à família das galectinas, moléculas que possuem como característica a ligação a resíduos de carboidratos, sendo descrita como provável biomarcador para gliomas. Em nossos estudos utilizando-se uma linhagem de glioma híbrido humano/murino, NG97ht, constatou-se, através de imunoistoquímica, que há expressão desta proteína somente em áreas de pseudopaliçada, porém não em suas áreas adjacentes.Ensaios in vitro realizados por nosso grupo demonstraram que a galectina-3 é positivamente regulada pela hipóxia, além de demonstrar que esta proteína é um fator chave na proteção destas células contra a morte celular durante a privação de oxigênio e nutrientes, mimetizando condições necróticas de pseudopaliçada in vivo, destacando-se as habilidades anti-apoptóticas da galectina-3. Embora uma de suas possíveis funções tenha sido elucidada, os mecanismos de atuação e de indução da galectina-3 ainda são obscuros. São descritos diversos fatores de transcrição, como NF-ºB e RUNX-2 entre outros, que podem atuar na indução do gene de galectina-3, como também é possível que a hipóxia, mais precisamente HIF-1±, seja um fator de indução direta desta proteína.Deste modo, este projeto visa explorar os papéis pró-tumorais da galectina-3, podendo torná-la um possível alvo em terapias anti-neoplásicas, entendendo melhor seus mecanismos de proteção contra a morte celular e controle de expressão em ambientes hipóxicos, além de estudar suas possíveis funções in vivo no desenvolvimento de áreas de pseudopaliçada, e também estendendo seus estudos para outras linhagens de glioblastoma.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
IKEMORI, RAFAEL YAMASHITA; LONGO MACHADO, CAMILA MARIA; FURUZAWA, KARINA MIE; NONOGAKI, SUELY; OSINAGA, EDUARDO; UMEZAWA, KAZUO; DE CARVALHO, MARCELO ALEX; VERINAUD, LIANA; CHAMMAS, ROGER. Galectin-3 Up-Regulation in Hypoxic and Nutrient Deprived Microenvironments Promotes Cell Survival. PLoS One, v. 9, n. 11 NOV 4 2014. Citações Web of Science: 21.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.