Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da interacao entre os receptores de cininas e as principais en/ zimais do sistema - eca e cpm.

Processo: 09/52756-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2009
Vigência (Término): 31 de março de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica
Pesquisador responsável:João Bosco Pesquero
Beneficiário:Paola Bianchi Guimarães
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Atividade enzimática

Resumo

A enzima conversora de angiotensina (ECA) tem um papel importante na homeostase circulatória, uma vez que é capaz de modular uma diversidade de compostos, entre eles, angiotensina I (AngI), convertendo-a no vasopressor angiotensina II (AngII), e inativando a bradicinina (BK), um vasodilatador. Estudos de grupos de pesquisas têm relacionado um importante papel da heterodimerização da ECA/ receptor B2 nas propriedades farmacológicas desse receptor. Nessa linha de pesquisa, dados recentes de nosso grupo mostraram um importante papel modulador da atividade da ECA pelo receptor B2 das cininas. Trabalhando com células CHO transfectadas e co-expressando tanto a ECA como o receptor B2, fomos capazes de mostrar um aumento na atividade da enzima causado pelo receptor de cininas, avaliado com um substrato fluorescente (Sabatini RA e cols, 2008). Da mesma forma, células endoteliais de animais knockout para o receptor B2 apresentaram uma menor atividade ECA. Neste trabalho, testaremos a hipótese de que essa interação também pode afetar a atividade enzimática da ECA frente aos seus substratos Angl e BK. Utilizaremos a mesma metodologia já descrita, com células CHO transfectadas e células endoteliais de animais knockout para os receptores de cininas B1, B2 e duplo knockout B1B2. Também será avaliado o efeito dos antagonistas dos receptores na atividade da enzima, e a influência da expressão dos receptores na atividade dos dois sítios ativos da ECA. Assim, considerando a relevância fisiológica da ECA e o papel de seus inibidores na clínica; acreditamos que esses resultados devem ajudar a esclarecer melhor a relação entre essas moléculas. (AU)