Busca avançada
Ano de início
Entree

Perda de originalidade e extinções simuladas de espécies arbustivo-arbóreas de cerrado (Parque Nacional das Emas)

Processo: 09/11553-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2010
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Marco Antônio Portugal Luttembarck Batalha
Beneficiário:Natalia Bianca Rosatti
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Biodiversidade   Conservação   Diversidade funcional   Savana   Cerrado

Resumo

Apesar do cerrado estar sendo rapidamente destruído, há poucas ações para protegê-lo e poucas unidades de conservação. Dentro dessas poucas unidades de conservação existentes, ainda que se queira, muitas vezes não há estudos científicos para prever os eventuais impactos a que elas serão submetidas e para determinar ações de manejo para minimizar esses impactos. Uma maneira de direcionar essas ações é procurar minimizar a perda de "originalidade" nas comunidades. Por meio das relações filogenética e funcional entre as espécies, é possível calcular essa originalidade, ou seja, a proporção de características raras que cada espécie possui. Aplicaremos a medida de originalidade em uma reserva de cerrado com diferentes fisionomias, diferentes regimes de fogo e diferentes graus de invasão, o que nos permitirá discutir o impacto desses fatores sobre as diversidades filogenética e funcional do componente arbustivo-arbóreo de cerrado. Para isso, lançaremos, no Parque Nacional das Emas, 100 parcelas de 5 m x 5 m, em que amostraremos o componente arbustivo-arbóreo, medindo para cada indivíduo alguns atributos funcionais: área foliar específica, área foliar, dureza foliar, nitrogênio foliar, fósforo foliar, densidade específica dos ramos, altura, altura do fuste, área basal, número de rebrotas, espessura da casca, principal polinizador e tipo de dispersão. Para cada parcela, teremos ainda informações sobre o histórico de fogo, o grau de invasão por espécies exóticas, o relevo e o solo. A partir desses dados, calcularemos as diversidade funcional e filogenética em cada parcela e a originalidade das espécies. Simularemos diferentes cenários de extinção, com base nas perturbações às quais o cerrado está sujeito para podermos prever quão afetada é a originalidade em cada situação e então otimizar a quantidade de história evolutiva e de atributos funcionais preservada em ações de manejo.