Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do potencial invasivo de espécies não nativas utilizadas em plantios de restauração de matas ciliares

Processo: 09/11752-8
Modalidade de apoio:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2010
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal
Pesquisador responsável:Giselda Durigan
Beneficiário:Geissianny Bessão de Assis
Instituição Sede: Instituto Florestal. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Restauração ecológica   Ecologia da restauração
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Ecologia da restauração | invasões biológicas | Restauração de matas ciliares | Recuperação de áreas degradadas

Resumo

A restauração de ecossistemas, especialmente matas ciliares, vem ganhando espaço em todo o mundo e, no Brasil, o modelo mais amplamente utilizado tem sido o plantio de espécies arbóreas em alta diversidade. Embora a recomendação seja de que se utilizem exclusivamente espécies nativas, a dificuldade de identificá-las e de se encontrarem mudas disponíveis resulta que em praticamente todos os plantios existem espécies não nativas, que oferecem a ameaça potencial de invasão biológica. O objetivo desta pesquisa é analisar o potencial invasivo das espécies arbóreas não nativas que têm sido plantadas na restauração de matas ciliares em regiões de floresta estacional semidecidual, com base na estrutura de suas populações em regeneração. Analisaremos pelo menos 20 áreas em restauração, com idade mínima de quatro anos. Em cada local efetuaremos o levantamento florístico das espécies utilizadas no plantio em uma área total de 1.000 m2, subdividida em dez parcelas de 5 x 20 m, distribuídas sistematicamente na área em restauração. Serão identificados e contabilizados todos os indivíduos de espécies arbóreas a partir de uma altura mínima de 50 cm, que serão agrupados em classes de tamanho, segundo o diâmetro à altura do peito - DAP. Verificaremos se a abundância relativa das espécies no estrato regenerante é superior à encontrada nos plantios, o que indicaria maior probabilidade de se regenerar e se disseminar na comunidade, denotando potencial invasor para as espécies não nativas. As espécies serão classificadas em nativas da região, nativas da floresta estacional em outras regiões, nativas de outras formações vegetais brasileiras ou exóticas, para verificar se o potencial de invasão é variável entre esses grupos. Esta pesquisa é parte de um projeto mais amplo, em que serão investigadas as trajetórias sucessionais e os fatores que condicionam o êxito ou fracasso dos plantios de restauração de mata ciliar em região de floresta estacional semidecidual.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SUGANUMA, M. S.; DE ASSIS, G. B.; DURIGAN, G.. Changes in plant species composition and functional traits along the successional trajectory of a restored patch of Atlantic Forest. COMMUNITY ECOLOGY, v. 15, n. 1, p. 27-36, . (09/11752-8)
MARCIO SEIJI SUGANUMA; GEISSIANNY BESSÃO DE ASSIS; ANTÔNIO CARLOS GALVÃO DE MELO; GISELDA DURIGAN. Ecossistemas de referência para restauração de matas ciliares: existem padrões de biodiversidade, estrutura florestal e atributos funcionais?. Revista Árvore, v. 37, n. 5, p. 835-847, . (09/11752-8)
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
ASSIS, Geissianny Bessão de. Avaliação do potencial invasivo de espécies não-nativas utilizadas em plantio de restauração de matas ciliares. 2012. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista (Unesp). Faculdade de Ciências Agronômicas. Botucatu Botucatu.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.