Busca avançada
Ano de início
Entree

Morfologia e Relações Fílogenéticas de Marasmius (Marasmiaceae) da Reserva Biológica de Paranapiacaba, SP, Brasil

Processo: 09/12303-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2010
Vigência (Término): 31 de maio de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica
Pesquisador responsável:Marina Capelari
Beneficiário:Jadson José Souza de Oliveira
Instituição-sede: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Agaricales   São Paulo   Mata Atlântica   Marasmius   Botânica (classificação)

Resumo

O gênero Marasmius Fr. é um grupo muito diversificado, com cerca de 1.800 epítetos no Index Fungorum, com espécies distribuídas em 12 seções. Embora muitos taxonomistas ainda o considerem dentro de Tricholomataceae, Marasmius pertence à família Marasmiaceae e com vários gêneros segregados. A taxonomia morfológica tradicional permite diferenciar Marasmius de gêneros próximos como Collybia, Marasmiellus, Micromphale, Crinipellis, Chaetocalathus, entre outros. Envolvido em muitas discordâncias filogenéticas, Marasmius sensu lato foi considerado um grupo polifilético através de evidências moleculares, segregando-o ainda mais e resultando no grupo Marasmius sensu stricto. Predomina em ambientes florestais úmidos e sombreados, sendo a maioria saprófito. Trabalhos taxonômicos significativos já foram feitos com Marasmius no Brasil, principalmente por Rolf Singer no século passado e, recentemente, pesquisadores têm feito novos registros de sua ocorrência, inclusive com espécies novas, aumentando o conhecimento da biodiversidade dos domínios naturais brasileiros. A Mata Atlântica é um domínio significativamente rico em espécies, e mesmo com apenas 7% de sua área original, ainda possui grande diversidade biológica e alto índice de endemismo, sendo considerada área de "hotspots". O levantamento de espécies de uma área, neste caso, da Reserva Biológica de Paranapiacaba, área de Mata Atlântica, é fundamental para sua preservação, pois fornece dados de riqueza. Desta forma, o estudo morfológico para a sistemática tradicional e o uso de análises moleculares para embasamento das relações filogenéticas são fundamentais para o fornecimento de dados de riqueza de espécies da área estudada e elucidação de questões referentes às relações entre as espécies de Marasmius. O projeto em questão objetiva tornar conhecida a diversidade de espécies do gênero Marasmius da Reserva Biológica de Paranapiacaba, São Paulo, através de análises morfológicas e moleculares para estudo da sistemática e das relações filogenéticas do gênero, e incorporação do conhecimento de sua diversidade na área de estudo, além da inclusão do material no Herbário Científico do Estado "Maria Eneyda P. Kauffmann Fidalgo" (SP). A Reserva Biológica de Paranapiacaba é de responsabilidade do Instituto de Botânica, sendo uma área de 336 ha de Floresta Ombrófila Densa ou Floresta Pluvial Tropical de Mata Atlântica, situada no município de Santo André, SP, próximo ao complexo Serra do Mar, com 750-891 m de altitude, relevo montanhoso de solo arenoso úmido e ácido, bastante úmida (100% em quase todo ano) com precipitações anuais de 3.381 mm. O trabalho será feito com coletas mensais ou quinzenais por um período de pelo menos seis meses (as coletas terão início em setembro/2009) e também com materiais já coletados, com a utilização dos métodos padrão para fungos Agaricales. Descrição macro e microscópica dos basidiomas serão feitas para identificação utilizando chaves de identificação. Também serão obtidos isolados em meio de cultura batata-dextrose-ágar (BDA), com amostras retiradas do estipe dos basidiomas. A análise molecular será realizada com a extração, amplificação e purificação das amostras de DNA no Instituto de Botânica, e o seqüenciamento no Genoma/USP. Para isso serão adotados os protocolos e primers adequados para fungos, para amplificação dos genes de interesse. As análises filogenéticas serão realizadas com as seqüência obtidas e as depositadas no GenBank, com o programa PAUP. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.